Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Chefe da Otan rebate Trump e cita perigos de EUA abandonarem aliança

Republicano disse que, se voltar à Casa Branca, não cumprirá cláusula de defesa coletiva

Por Da Redação
12 fev 2024, 11h16

O chefe da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, criticou no domingo, 11, “quaisquer sugestões” de que países de dentro da principal aliança militar ocidental não se defenderiam em caso de ataque, após o ex-presidente americano Donald Trump afirmar que não cumpriria a cláusula de defesa coletiva, fundamento central do grupo, caso volte à Casa Branca.

A mensagem de Stoltenberg segue a fala de Trump durante evento de campanha no sábado de que encorajaria a Rússia a fazer “o que quiser” com qualquer país da Otan que não cumprir as diretrizes de gastos e que não daria a proteção dos EUA.

A Otan tem como meta que cada país membro gaste um mínimo de 2% do PIB na Defesa, mas maioria dos países não atinge essa porcentagem, embora não seja um item vinculativo. Em 2022, sete países dos 31 países membros atingiram a meta, contra três em 2014.

Em comunicado, o chefe da aliança afirmou que tais comentários colocam soldados europeus e americanos em um risco ainda maior, visto que “qualquer sugestão de que os aliados não se defenderão mutuamente mina toda a nossa segurança”.

Continua após a publicidade

“Espero que, independentemente de quem ganhe as eleições presidenciais, os EUA continuem a ser um aliado forte e empenhado da Otan”, disse.

A mensagem foi ecoada nesta segunda-feira, 12, por outros líderes de países membros da aliança. Durante viagem a Paris, o primeiro-ministro polonês, Donald Tusk, afirmou que não há alternativa à parceria entre a Europa, a Otan e os Estados Unidos para enfrentar os crescentes riscos de segurança.

“Não há alternativa à UE, à NATO e à cooperação transatlântica. A Europa deve tornar-se um continente seguro, e isso significa que a União Europeia, a França e a Polônia devem tornar-se fortes e prontas para defender as suas próprias fronteiras e para defender e apoiar os nossos aliados e amigos de fora da União”, disse Tusk numa declaração conjunta com o presidente francês, Emmanuel Macron.

Continua após a publicidade

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, também respondeu aos comentários e disse que mostram, mais uma vez, a necessidade de manter a aliança forte.

“Declarações imprudentes sobre a segurança da NATO e a solidariedade do Artigo 5 servem apenas o interesse de Putin. Eles não trazem mais segurança ou paz ao mundo”, disse Michel em postagem no X, antigo Twitter, em referência à cláusula de defesa coletiva.

A invasão da Rússia à Ucrânia, em fevereiro de 2022, levou a Suécia e a Finlândia a pedirem adesão à Otan e ao sistema de proteção coletiva. Enquanto a Finlândia conseguiu entrar em abril de 2023, duplicando a fronteira da aliança com a Rússia, a Suécia enfrentou atrasados no processo, sobretudo por rixas com a Turquia, mas têm avançado em direção à adesão completa.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.