Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Centro conclui que alface romana é causa de surto de E.coli nos EUA

Fonte do problema ainda não foi identificada pelo órgão responsável. Mais de 30 pessoas já foram infectadas no país

Por Da Redação 21 nov 2018, 17h56

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) emitiu um alerta para que americanos não consumam alface romana em meio às investigações de um novo surto de E.coli. Segundo o site do órgão, 32 pessoas foram infectadas pela bactéria até o momento, em 11 estados dos EUA. Dos afetados, 13 foram internados, e um paciente desenvolveu complicações. Nenhuma morte foi reportada.

“CDC aconselha que nenhum consumidor americano coma alface romana, e que supermercados e restaurantes não vendam ou sirvam a verdura, até que saibamos mais sobre o surto.”, disse o Centro em comunicado da última terça (20). O aviso se aplica a todas as variações da alface, mesmo às misturas de salada que contenham a verdura.

  • Não foram identificadas marcas a ser recolhidas, mas oficiais orientaram que qualquer pessoa que tenha o produto em casa o jogue no lixo imediatamente.

    Em conversa com a CBS News, Laura Gieraltowski, funcionária da CDC, declarou que a Administração de Alimentação e Medicamentos (FDA) está investigando a fonte das folhas contaminadas, e que até o momento não chegou a nenhuma conclusão.

    O surto envolve uma variedade da bactéria denominada Shiga- produtora de toxina-E. coli O157:H7, que pode causar doenças sérias. 

    Casos não têm relação com surto anterior

    Sintomas da infecção por E.coli incluem diarreia, que pode conter sangue, dor de estômago severa e vômitos. O ciclo da doença normalmente se encerra em uma semana, mas casos mais severos podem levar a um tipo de falha dos rins, a Síndrome Hemolítico-Urêmica (HUS), desenvolvida por um dos pacientes americanos.

    Autoridades canadenses também identificaram 18 casos nas províncias de Ontario e Quebec, onde as pessoas foram infectadas pelo mesmo tipo de bactéria. O CDC ressalta que o surto não tem relação com outros casos que aconteceram em meados de 2018, que resultaram em avisos parecidos nos meses de Abril e Maio.

    Naquele período, 200 pessoas foram diagnosticadas com a infecção e cinco mortes foram atribuídas ao E.coli, eventualmente sendo conectadas a água contaminada no estado do Arizona.

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade