Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Caravanas de migrantes da América Central chegam aos EUA

Em uma semana, 58 estrangeiros chegaram ao país pela fronteira México-EUA; Donald Trump quer restringir o acesso de imigrantes a asilo no país

Por Da Redação - Atualizado em 4 maio 2018, 17h03 - Publicado em 4 maio 2018, 11h02

Dezenas de novas caravanas de migrantes da América Central entraram nos Estados Unidos para pedir asilo nesta quinta-feira 3, somando 158 estrangeiros entrando no país desde o fim de semana passado, apesar das fortes críticas do presidente americano Donald Trump.

Setenta homens, mulheres e crianças foram autorizados a entrar no movimentado porto da fronteira do país com o México, de acordo com Alex Mensing, organizador de caravanas do grupo de defesa Pueblos sin Fronteras. Outros 62 migrantes ainda estavam esperando uma chance de iniciar o processo de asilo, disse ele.

Na segunda-feira, o procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, reforçou os recursos legais na fronteira, incluindo mais promotores e juízes, para lidar com os grupos de pessoas da caravana.

A odisseia dos centro-americanos somou 3.220 quilômetros de viagem. A caravana, composta majoritariamente de hondurenhos, salvadorenhos e guatemaltecos, partiu do sul do México e seguiu esperançosa da chance de seus membros apresentarem seus pedidos de asilo para as autoridades americanos. Ao mesmo tempo, eles sempre estiveram conscientes da possibilidade de rejeição das solicitações.

Publicidade

Trump quer endurecer as leis para tornar mais difícil para as pessoas reivindicarem asilo. Segundo ele, os Estados Unidos passaram por um aumento de mais de dez vezes nos pedidos de asilo em relação a 2011.

Ele criticou as chamadas políticas de “pegar e soltar” que permitem que alguns migrantes permaneçam nos Estados Unidos enquanto seus casos aguardam audiência em um sistema legal entupido.

Publicidade