Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Caminhões com ajuda à Venezuela voltam para Roraima

Dois caminhões foram barrados pela alfândega da Venezuela em dia de confronto na fronteira

Por AFP 23 fev 2019, 20h33

Os dois caminhões de ajuda humanitária enviados pelo Brasil à Venezuela retornaram à cidade fronteiriça de Pacaraima neste sábado, 23, após ter permanecido estacionados na fronteira durante o dia, segundo os correspondentes da agência France-Presse no local.

O primeiro caminhão chegou no fim da manhã ao ponto onde estão as bandeiras dos dois países e parou ao lado do pavilhão da Venezuela. O segundo chegou no início da tarde e estacionou ao lado. O local fica a 300 metros da Alfândega brasileira e a 300 metros do primeiro cordão militar venezuelano, posicionado a 500 metros da Alfândega deste país.

  • A iniciativa se insere em uma operação impulsionada em Brasil, Colômbia e Curaçao pelo líder opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente encarregado da Venezuela por diversos países, inclusive o Brasil.

    “Na Colômbia perdemos um caminhão (…). Guaidó ordenou salvaguardar os produtos, o que queremos é passar para lá de forma pacífica”, disse, usando um megafone, um dos coordenadores da operação, pouco antes do recuo. “O mais valioso que temos é a nossa vida, não quero que nos massacrem”, instruiu o porta-voz, do alto de um dos pequenos caminhões dispostos para a operação.

    O clima no fim da tarde era de frustração e tédio. Centenas de pessoas cercaram os caminhões durante o dia.

    No entanto, pequenos tumultos do lado venezuelano provocaram alerta e a coordenação decidiu recuar, levando os caminhões para Pacaraima. Guaidó havia anunciado à tarde a entrada de uma carga de ajuda humanitária proveniente do Brasil.

    Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência considerou “exitosa” o transporte da ajuda humanitária ao país. “A Presidência da República informa que a participação do governo brasileiro foi exitosa em reunir e transportar as doações até o destino de distribuição”, diz a nota. “Inicia-se uma segunda fase da operação com os últimos preparativos de logística para a entrega dos produtos que se encontram armazenados na capital do estado, Boa Vista.”

    A assessoria de imprensa do Planalto foi questionada pelo jornal Estado de S. Paulo a respeito deste suposto êxito da operação. Segundo a assessoria, houve êxito porque os caminhões entraram em uma parte da fronteira e este é o início da operação brasileira.

    (Com Estadão Conteúdo)

    Continua após a publicidade
    Publicidade