Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Brasil engrossa coro contra a Constituinte na Venezuela

Em nota, Itamaraty afirmou que medida viola o direito ao sufrágio universal e o princípio da soberania popular

Por Da Redação Atualizado em 18 jul 2017, 18h01 - Publicado em 18 jul 2017, 11h32

O ministério das Relações Exteriores do Brasil pediu, em nota, que o governo venezuelano cancele a convocação da Assembleia Nacional Constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro para o dia 30 de julho.

O texto considera que a medida tem regras que violam o direito ao sufrágio universal e o princípio da soberania popular. O Itamaraty também pediu pela libertação de todos os presos políticos e da restauração das competências da Assembleia Nacional, que, sob domínio da oposição, perdeu o poder após uma decisão judicial.

Desde o anúncio da convocação da Constituinte, o governo chavista vem sofrendo pressão da comunidade internacional.

Na segunda-feira, 17, o presidente americano, Donald Trump, ameaçou Caracas com sanções econômicas caso Maduro vá em frente com o projeto. Trump disse que Maduro é “um mau líder que sonha em se tornar ditador”.

Pelo Twitter, também na segunda, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse que uma solução pacífica para a crise do país passava pelo cancelamento da Constituinte. E lembrou: “O mundo inteiro está pedindo”.

Continua após a publicidade

A Organização dos Estados Americanos (OEA) também vem pressionando, até agora sem sucesso, o governo da Venezuela desde o anúncio da convocação para a nova constituição. Em maio, o presidente da organização, Luis Almagro, chamou o processo de “fraudulento”.

Persona non grata

O governo da Venezuela declarou personas non gratas os ex-presidentes Jorge Quiroga (Bolívia), Andrés Pastrana (Colômbia), Laura Chinchilla e Miguel Ángel Rodríguez (Costa Rica), observadores do plebiscito simbólico realizado no domingo pela oposição.

Anteriormente, o ex-presidente mexicano Vicente Fox também foi declarado persona non grata por ter atuado como observador na consulta contra o Nicolás Maduro e sua convocação para uma Assembleia Constituinte.

“Não entrarão mais na Venezuela: abusaram da generosidade de nosso povo. É justiça que será entendida pelos que amam seu país”, afirmou o chanceler venezuelano Samuel Moncada no Twitter.

(Com agências internacionais)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)