Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Áustria quer dispensa de cota de acolhimento de refugiados da UE

Polônia, Hungria, Eslováquia e República Checa também se opõem ao sistema europeu que obriga as nações a receberem uma cota mínima de imigrantes

Por Da redação Atualizado em 29 mar 2017, 13h48 - Publicado em 29 mar 2017, 13h43

O governo austríaco quer ser dispensado da obrigação de receber uma cota mínima de refugiados, conforme foi imposto pelo sistema de realocação da União Europeia. Segundo o chanceler Christian Kern, a Áustria já recebeu uma quantidade superior de pessoas do que era estipulada por Bruxelas durante a crise imigratória da Europa.

“Acreditamos que é necessária uma exceção para a Áustria por já ter cumprido sua obrigação. Iremos discuti-las com a Comissão Europeia”, disse Kern na terça-feira. “Vamos enviar uma carta o mais rápido possível e depois iniciar as discussões.”

A União Europeia introduziu a controversa cota mínima de realocação de refugiados para aliviar a pressão dos principais países de entrada dos imigrantes na Europa, como Grécia e Itália. A medida exige que os países do bloco acolham um determinado número de pessoas, baseado em seu PIB total e no tamanho de sua população.

A Áustria recebeu cerca de 90.000 postulantes a asilo em 2015, mais de 1% de sua população. Dessa forma, a UE concedeu ao país uma exceção temporária ao sistema de cotas, que expirou em 11 de março de 2017. Agora, a nação busca ser dispensada da sua obrigação novamente.

O anúncio de Viena é mais um golpe ao sistema europeu, que já foi mal implantado devido à oposição liderada por países do leste europeu, como Polônia, Hungria, República Checa e Eslováquia. Desde o início da crise imigratória europeia, esses governos se posicionaram de forma contrária ao recebimento dos refugiados.

“O conceito de cota é uma rua sem saída” disse Peter Szijjarto, ministro das Relações Exteriores da Hungria, quando o sistema de reassentamento foi anunciado. “Parece uma ideia anunciada em Primeiro de Abril”, brincou o ministro polonês, Witold Waszczykowski, em declaração à jornalistas na época.

E a resistência continua. Um encontro em Varsóvia, do grupo que ficou conhecido como Grupo de Visegrado, reuniu a primeira-ministra da Polônia, Beata Szydlo, e os seus homólogos da Hungria, Eslováquia e República Checa nessa terça-feira. Após discutirem o assunto, os líderes da Europa Central disseram que ainda rejeitam a política europeia de acolhimento de refugiados e que não irão ceder, mesmo sob pressão financeira.

Para eles, o plano de Bruxelas de implantar uma multa para as nações que não receberem o número de imigrantes estipulado não passa de chantagem. O governo polonês citou, ainda, preocupações de segurança entre as razões por trás de sua recusa em acolher refugiados.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês