Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Assembleia de Maduro destitui procuradora

Em primeiro ato de impacto, a Constituinte controlada pelo regime bolivariano demitiu a procuradora-geral do país, após cerco à sede do Ministério Público

Por Da Redação 5 ago 2017, 13h06

A Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, que tomou posse ontem, aprovou neste sábado a cassação da procuradora-geral do país, Luisa Ortega Díaz, e a suspensão do direito de exercer qualquer cargo público, após o Tribunal Supremo do país corroborar a decisão.

Antes, pela manhã, um grupo de agentes da Guarda Nacional Bolivariana da Venezuela (GNB) impediu a entrada da procuradora-geral na sede do Ministério Público (MP). Ela foi obrigada a se retirar o local, quando ainda não se conhecia a decisão da Assembleia. Agentes da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) se posicionaram nos arredores e acessos à sede do Ministério Público, de acordo com fotos divulgadas pela assessoria de imprensa do MP.

Luisa Ortega denunciou o assédio de militares que cercam a sede do Ministério Público, um dia depois da posse da Assembleia Constituinte e de receber medidas de proteção da Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

“Rejeito o cerco ao Ministério Público. Denuncio essa arbitrariedade à comunidade nacional e internacional”, escreveu a procuradora em sua conta no Twitter.

Na sexta-feira, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que o governo de Nicolás Maduro não reconhece, anunciou a concessão de medida cautelar de proteção para Ortega, considerando que a sua vida e integridade “correm risco iminente de dano irreparável”.

Continua após a publicidade

Ortega, para quem a Assembleia Constituinte reflete uma “ambição ditatorial”, é uma veterana chavista que se distanciou do governo ao denunciar uma ruptura da ordem constitucional na Venezuela.

A procuradora apresentou vários recursos contra a Assembleia Constituinte, todos rejeitados pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), acusado de servir ao governo.

Esta semana, anunciou a abertura de uma investigação contra os diretores do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), após a denúncia pela Smartmatic, empresa que forneceu apoio técnico à votação da Assembleia Constituinte, de que houve “manipulação” nos resultados.

(Com EFE e AFP)

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês