Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Argentina deve dar calote no FMI

Dívida de 45 bilhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional precisará ser reestruturada

Por Sergio Figueiredo Atualizado em 25 mar 2021, 11h20 - Publicado em 25 mar 2021, 10h32

“Não podemos pagar porque não temos dinheiro para pagar”, foi o que declarou a vice-presidente Cristina Kirchner, segundo a agência de notícias Bloomberg. A Argentina não teria como honrar a dívida de 45 bilhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional. Parte do vencimento, um montante de 3,8 bilhões de dólares, ocorre já neste ano. A notícia veio à tona depois da reunião do ministro da Economia argentino Martín Guzmán com autoridades do FMI, terça-feira, em Washington.

A Argentina passa por uma crise fiscal que parece não ter fim, gastando mais do que arrecada, com a situação se degradando ainda mais em tempos de pandemia. Caso a dívida não seja negociada e reestruturada, o calote será inevitável.

Muitos se perguntam por que uma declaração de tamanho impacto teria vindo da vice-presidente do país e não de seu presidente, Alberto Fernández. A popularidade de Fernández está em franco declínio tanto pela delicada situação econômica que vive a Argentina quanto pelos escândalos que expuseram pessoas ditas importantes que estariam furando a fila de vacinação. A crise parece ter obrigado o presidente a recorrer a políticos que apoiam o governo, mas que, por outro lado, consideram Kirchner a verdadeira líder da nação − o que parece óbvio para muitos analistas internacionais.

Publicidade