Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Após saída de Johnson, Reino Unido pode se reaproximar da União Europeia

Negociador-chefe da União Europeia para o Brexit diz que espera um momento mais 'construtivo, respeitoso e amigável' entre as nações

Por Duda Gomes Atualizado em 7 jul 2022, 22h18 - Publicado em 7 jul 2022, 17h24

Não foi fácil, mas ele renunciou. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou na manhã desta quinta-feira, 7, que deixaria o cargo, contra sua vontade. Com a sua saída, a União Europeia espera que seja criada uma relação “mais construtiva” com Londres.

“A saída de Boris Johnson abre uma nova página nas relações com a Grã-Bretanha. Que seja mais construtivo, mais respeitoso com os compromissos assumidos, em particular no que diz respeito à paz e estabilidade no Seguro Natural, e mais amigável com os parceiros da União Europeia. Porque há muito mais a ser feito juntos”, disse Michel Barnier, ex-negociador-chefe da União Europeia para o Brexit, em seu Twitter.

+Boris Johnson: ‘É doloroso não terminar meu mandato’

Boris Johnson, agora ex-líder do partido conservador, construiu sua campanha baseada no projeto de tirar o Reino Unido da União Europeia. Ele conquistou o lugar de primeiro-ministro em 2019, após a renúncia de Theresa May, que deixou o cargo justamente por fracassar na condução do processo do Brexit.

Quase seis anos depois da votação que decidiu a saída da Grã-Bretanha do Bloco, a população sofre as graves consequências, como o alto custo de vida e aumentos históricos da inflação. Ou seja, um novo momento de prosperidade, prometido por Johnson ao assumir o cargo, se transformou em três anos de crises, com uma economia instável, menos investimento empresarial, uma pandemia e muitos escândalos.

Continua após a publicidade

+Boris Johnson: Onda de renúncias ministeriais pressionam por sua saída

Escândalos esses que acabaram enfraquecendo o primeiro-ministro, descredibilizado por causa de festas em Downing Street do seu partido, durante a época mais restrita do lockdown em Londres, que mais tarde foram chamadas de Partygate.

Depois de sobreviver ao voto de desconfiança, mais de 50 membros do seu partido se recusaram a fazer parte do governo, renunciando um a um. Enfraquecido e sem apoio, não teve mais saída. “É claramente a vontade do Partido Conservador que deve haver um novo líder e um novo premiê (…) é doloroso não terminar meu mandato”, disse Johnson ao anunciar que então sairia. Agora, basta saber qual será o futuro do seu projeto mais querido, o Brexit.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.