Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Apoiadores de Trump invadem Capitólio e certificação de Biden é suspensa

Ameaça de bomba também fez com que dois prédios fossem evacuados

Por Da Redação Atualizado em 6 jan 2021, 18h17 - Publicado em 6 jan 2021, 16h11

Manifestantes a favor do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, entraram em confronto com a polícia nesta quarta-feira, 6, nas escadarias do Capitólio, em Washington, durante a sessão do Senado para certificar a vitória eleitoral do democrata Joe Biden.

A cerimônia teve de ser suspensa e o plenário foi evacuado e a prefeita de Washington, Muriel Bowser, decretou toque de recolher a partir das 18 horas no horário local.

Milhares de apoiadores do atual mandatário estão reunidos na capital americana para protestar contra o resultado do pleito de novembro, ecoando as alegações falsas de Trump de que foi fraudado.

“Se não houver justiça, isso nunca vai parar”, gritavam os apoiadores.

Manifestantes pró-Trump invadem o Capitólio
Manifestantes pró-Trump invadem o Capitólio AFP/AFP

A multidão estava entre o Monumento a Washington e o Parque Ellipse. Segundo o jornal The Washington Post, várias centenas de pessoas se chocaram contra as barricadas de metal que cercavam a parte de trás do Capitólio e pouco antes das 13h locais um grupo conseguiu empurrar e derrubar as barricadas, invadindo os gramados em frente ao prédio.

Os policiais do Capitólio não conseguiram conter a multidão e manifestantes conseguiram entrar no  edifício. Segundo o Post, a polícia da capital já prendeu 10 pessoas entre a tarde de terça-feira e a manhã desta quarta em manifestações a favor do presidente.

Entre as acusações estão violações ao porte de arma e agressão. Embora o porte seja proibido em Washington, grupos ligados à manifestação usaram redes sociais para incentivar os participantes a desfilarem armados.

Junto às cenas dos manifestantes na escadaria do prédio, uma ameaça de bomba fez com que dois prédios fossem rapidamente evacuados pela polícia.

Bomba de gás lacrimogêneo explode dentro do Capitólio, deixando manifestantes atônitos
Bomba de gás lacrimogêneo explode dentro do Capitólio, deixando manifestantes atônitos AFP/AFP

Citando uma fonte do Congresso, a rede Fox News afirmou que o Cannon House Office Building e a Madison Library foram evacuados depois de pacotes suspeitos serem supostamente encontrados na área.

De acordo com a emissora, policiais pediram para funcionários deixarem o prédio e se abrigarem em edifícios próximos. Em memorando a parlamentares, a polícia pediu para todos acessarem os prédios “através de túneis subterrâneos. Não saiam pelo lado de fora”.

Um jornalista da Fox que estava dentro do edifício Canon disse que um agente pediu gritou para todos “saírem do prédio”.

Continua após a publicidade

A deputada democrata Elaine Luria publicou no Twitter: “Eu apenas tive que evacuar meu escritório por causa de uma bomba relatada do lado de fora.”

Funcionários do Pentágono, em resposta a um pedido da prefeita Muriel E. Bowser, do Partido Democrata, posicionaram membros da Guarda Nacional na capital do país. As autoridades enfatizaram que eles não carregariam armas de fogo, usariam veículos blindados ou helicópteros, ou receberiam backup de unidades em outros estados.

Na terça-feira, a prefeita disse que estava considerando um toque de recolher obrigatório na cidade, depois que o chefe da Polícia Metropolitana, Robert Contee, confirmou ter recebido informações sobre indivíduos que tentarão entrar na capital com armas.

Contee acrescentou que as autoridades esperam uma multidão maior do que a que compareceu às anteriores manifestações pró-Trump na cidade, que terminaram em violência.

Trump, que perdeu tanto o voto popular quanto o do Colégio Eleitoral, continua disputando os resultados, sem provas, e tem incentivado seus apoiadores a comparecerem a manifestações na capital do país. Durante um comício nesta quarta-feira, ele voltou a discursar para uma multidão dizendo que havia vencido a eleição.

Apoiadores de Trump cercam o Congresso
Apoiadores de Trump cercam o Congresso AFP/AFP
Continua após a publicidade
Publicidade