Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Advogada de terrorista de Boston já defendeu Unabomber

Defensora pública, Judy Clarke é contra a pena de morte e também defendeu o autor do atentado nas Olimpíadas de Atlanta, em 1996, e o atirador de Tucson

Por Da Redação
30 abr 2013, 14h35

Dzhokhar Tsarnaev, o mais novo dos irmãos apontados como responsáveis pelo atentado em Boston, será defendido por Judy Clarke. A advogada foi designada por um juiz federal e tem larga experiência em casos de terrorismo. Opositora ardente da pena de morte, como definiu a rede CNN, ela atuou em processos famosos, como o de Ted Kaczynski, que ficou conhecido como Unabomber, de Eric Rudolph, responsável pelo atentado nas Olimpíadas de Atlanta, em 1996, e Jared Lee Loughner, que se declarou culpado pelo massacre de Tucson, Arizona, quando abriu fogo em um evento político deixando seis mortos e ferindo gravemente a então deputada republicana Gabrielle Giffords.

Agora terá pela frente o caso envolvendo o jovem de 19 anos, que responderá pelo uso de arma de destruição em massa. Depois de capturado, Dzhokhar afirmou que ele e o irmão Tamerlan, que foi morto em uma troca de tiros com policiais, atuaram sozinhos no atentado em Boston. Ferido, o irmão caçula foi levado para um hospital em Boston e depois transferido para um centro prisional em Devens, Massachusetts. Ele disse aos investigadores que não tinha como pagar um advogado e então uma equipe de defensores públicos foi apontada para cuidar de seu caso. A equipe é liderada por Miriam Conrad, chefe do escritório federal de Defensoria Pública de Boston, que também já atuou em casos de terrorismo.

O atentado na Maratona de Boston, no dia 15 deste mês, deixou três mortos e mais de 200 feridos – vinte pessoas permanecem internadas.

Continua após a publicidade

Leia também:

Atentado em Boston expõe riscos de ‘investigação coletiva’ na web

Dzhokhar Tsarnaev chegou a hospital “coberto de sangue”, diz funcionário

Continua após a publicidade

DNA feminino – Os investigadores agora tentam descobrir a origem do DNA feminino encontrado em uma panela de pressão usada na fabricação dos explosivos. Uma fonte policial consultada pela rede americana CNN ressaltou que a presença do material genético feminino não significa necessariamente que uma mulher teria conspirado com os dois irmãos.

O DNA no fragmento da panela pode ter vindo de uma das vítimas do ataque ou de qualquer mulher que tenha tocado algum dos itens usados para fabricar a bomba. O FBI colheu amostras na casa da viúva de Tamerlan, em Rhode Island, para determinar se o material genético é de Katherine Russell, ou da filha do casal, uma menina de 3 anos de idade. Katherine já afirmou que não tinha ideia de que o marido estava envolvido com o atentado. Seu advogado afirmou que ela está cooperando com as investigações.

Outra linha de investigação trabalha na busca de uma possível conexão de Tamerlan com um jihadista canadense que foi morto por soldados russos no Daguestão, em julho de 2012. Tamerlan estava visitando a região nesta época. William Plotnikov, de 23 anos, nasceu na Rússia, mas sua família mudou para o Canadá quando ele era adolescente. Como Tamerlan, Plotnikov também era boxeador.

Continua após a publicidade

O FBI investigou e interrogou Tamerlan a pedido da Rússia, devido a suspeita de que estaria ligado a militantes extremistas. O governo russo também levantou questionamentos sobre a mãe dos dois terroristas, Zubeidat Tsarnaev. Seu nome foi incluído em uma lista de suspeitos de terrorismo junto com o dos filhos.

Saiba mais:

O perfil do terrorista moderno

Continua após a publicidade

A história chechena por trás dos acusados

Defesa – O presidente Barack Obama defendeu nesta terça-feira o trabalho feito pelo FBI, diante das críticas de que a polícia federal não teria investigado o suficiente as suspeitas sobre Tamerlan.

“Eles não apenas investigaram o irmão mais velho, eles interrogaram o irmão mais velho. E concluíram que não havia sinais de que ele estava envolvido em atividades extremistas”, disse Obama, em entrevista coletiva.

Continua após a publicidade

Obama disse que pediu que sua equipe de contraterrorismo verifique o que mais pode ser feito para detectar ameaças. Ressaltou ainda que a Rússia tem sido “muito cooperativa” com os Estados Unidos na investigação do ataque, apesar de ainda haver suspeitas persistentes entre as agências de inteligência dos dois países.

https://www.youtube.com/embed/TC5o-UNplhQ
O real paradeiro de Tamerlan Tsarnaev

Barco onde Dzhokhar Tsarnaev foi capturado
Barco onde Dzhokhar Tsarnaev foi capturado (VEJA)

Militante da Jihad islâmica carrega um foguete durante treinamento em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza
Militante da Jihad islâmica carrega um foguete durante treinamento em Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza (VEJA)

Abdul Rahman Ali Alharbi, suposto envolvido no atentado com bomba na maratona de Boston
Abdul Rahman Ali Alharbi, suposto envolvido no atentado com bomba na maratona de Boston (VEJA)

Ruslan Tsarni, tio dos irmãos Dzhokhar e Tamerlan Tsarnaev
Ruslan Tsarni, tio dos irmãos Dzhokhar e Tamerlan Tsarnaev (VEJA)

Feridos recebem atendimento no local de explosão perto da linha de chegada da Maratona de Boston
Feridos recebem atendimento no local de explosão perto da linha de chegada da Maratona de Boston (VEJA)

Nick Vogt, ferido na maratona de Boston
Nick Vogt, ferido na maratona de Boston (VEJA)

Chris Kyle atirador da marinha
Chris Kyle atirador da marinha (VEJA)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.