Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

11 de setembro levou à militarização da polícia dos EUA

Vinte anos após o ataque às Torres Gêmeas, o legado de segurança pública deixado pelo atentado começa a ser questionado

Por Da Redação Atualizado em 10 set 2021, 20h55 - Publicado em 11 set 2021, 08h02

Da segurança do aeroporto ao policiamento civil e às partes mais casuais da vida diária, seria quase impossível identificar algo que permanecesse intocado e não afetado por aquelas horas terríveis de 2001.

Das cinzas e destroços surgiras um país redefinido por suas cicatrizes e marcado por uma nova realidade de tempo de guerra – uma sombra escurecida ainda mais nos últimos dias pelo ressurgimento do Talibã.

A segurança pública dos Estados Unidos assusta e lembra um filme de ficção. Os policiais ficaram mais militarizados e enxergam o cidadão comum como inimigo. Os críticos afirmam que há um estado de vigilância excessivamente zeloso, militarizado e armado ao máximo nos anos desde que terroristas atacaram o país em 2001. 

Em Baltimore, por exemplo, onde o crime prolifera nos bairros mais pobres, há uma intensa presença policial nas ruas, além do uso de alta tecnologia para vasculhar e prender suspeitos. Mesmo assim, a cidade ainda sofre com algumas das taxas de homicídio mais altas do país. 

Para Baltimore e outras grandes áreas metropolitanas, a vigilância onipresente e um trágico ciclo de assassinatos envolvendo policiais continuam a animar o debate sobre a aplicação da lei nos Estados Unidos.

Muitas das práticas policiais mais polêmicas datam de 11 de setembro, quando os governos locais foram inundados com uma onda de dinheiro, tecnologia e novas estratégias de combate ao crime — no topo de uma nova mentalidade que designou policiais locais para as linhas de frente da Guerra ao Terror. 

Foi uma época em que muitos departamentos de polícia se reformularam como organizações paramilitares à medida que sua missão central foi recalibrada do papel tradicional de “servir e proteger” para prevenir a temida “segunda onda” de ataques terroristas.

Os departamentos de polícia de todo o país, ansiosos para evitar as falhas que levaram ao 11 de setembro, se empenharam para equipar os oficiais com o que há de mais moderno em equipamento militar e tecnologia.

De vigilância aérea em Baltimore a listas de vigilância de terroristas nacionais, os departamentos de polícia locais experimentaram novas abordagens para proteger suas ruas nos anos que se seguiram ao 11 de setembro. Uma nação marcada por cicatrizes concordou amplamente.

Com o tempo, os críticos desses métodos dizem que o trauma sofrido pelas comunidades fortemente policiadas causou mais danos do que benefícios.

  • Enquanto os protestos irrompiam em todo o país após a morte de George Floyd em 2020, a lacuna entre os departamentos de polícia e os cidadãos que eles juraram proteger nunca pareceu maior.

    Continua após a publicidade

    Imediatamente após o 11 de setembro, a cautela dos muçulmanos varreu o país. Os crimes de ódio contra os muçulmanos dispararam. As mesquitas foram inundadas com ameaças.

    Em resposta aos ataques terroristas, departamentos de polícia em algumas das principais cidades compilaram vastos bancos de dados de supostos terroristas em potencial e realizaram ambiciosas missões de vigilância visando comunidades muçulmanas.

    Na década seguinte, conforme as forças militares americanas enfrentavam terroristas no exterior, os veteranos de guerra voltavam para casa para continuar seu serviço como policiais. Juntos, com o influxo de armas de guerra, a polícia em todos os Estados Unidos começou a parecer cada vez mais como se estivesse posicionada em uma base militar operacional avançada.

    Tudo isso resultou em um policiamento excessivo pós-11 de setembro que teve efeitos debilitantes nas relações entre a polícia e a comunidade.

    Em Baltimore, onde a morte de Freddie Gray em 2016 gerou protestos em todo o país e acrescentou uma nova urgência ao debate sobre o policiamento pós-11 de setembro, o departamento de polícia local liderou a acusação no avanço de novas e controversas táticas policiais.

    Câmeras de luz azul inundaram as ruas propensas ao crime. Software de reconhecimento facial e coleta de dados por telefone foram empregados para combater o crime.

    Talvez o mais chocante para os residentes sejam os chamados “aviões espiões” implantados para vigiar grandes áreas da cidade. Lançado em 2016, o primeiro experimento de vigilância aérea do país deveria ser secreto. 

    As imensas capacidades dos aviões tripulados permitiram que registrassem os movimentos externos de uma cidade inteira. Uma auditoria independente descobriu posteriormente que quase todos os voos dos aviões espiões pairavam sobre comunidades negras.

    O departamento de polícia, então, suspendeu o programa. Mas as feridas geradas pelos critérios raciais da polícia americana permanecem.

    Agora, duas décadas depois, os americanos estão finalmente retornando às conversas anteriores ao 11 de setembro sobre policiamento e o que realmente significa para uma nação governar a si mesma.

    Depois de um ano de assassinatos envolvendo policiais de alto nível e um aumento na criminalidade violenta em muitas cidades, a pergunta é: as práticas policiais estão realmente funcionando?

    Continua após a publicidade
    Publicidade