Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Por que as mulheres são mais propensas a contusões nos joelhos?

A incômoda pergunta que intriga os especialistas em medicina esportiva

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 8 ago 2023, 12h59 - Publicado em 5 ago 2023, 08h00
  • Seguir materia Seguindo materia
  • A cena foi dramática, doída como o pranto das brasileiras ao serem eliminadas logo na primeira fase da Copa do Mundo. Aos 34 minutos do segundo tempo, a Inglaterra vencia a Dinamarca por um 1 a 0. Depois de pisar em falso, a meio-campista Keira Walsh — destaque da seleção inglesa, que trocou o Manchester City pelo Barcelona por 500 000 dólares, valor recorde — caiu no gramado com as mãos no joelho direito. Foi atendida em campo, mas o choro indicava que o problema era sério, embora exames posteriores não tenham sugerido ligamentos rompidos. Walsh não participou da partida seguinte, contra a China, e é incerteza para as próximas etapas. Ela puxa uma fila incômoda, a de jogadoras afastadas dos gramados em decorrência de contusões nos joelhos. Trata-se de uma epidemia. Leah Williamson e Beth Mead, suas colegas da The Lionesses, não se recuperaram a tempo após sofrer o mesmo tipo de ferimento. O caso mais notável é o da espanhola Alexia Putellas, duas vezes Bola de Ouro, que só foi convocada para o torneio da Austrália e Nova Zelândia na última hora, fragilizada. A holandesa Vivianne Miedema, maior artilheira do seu time, também ficou em casa, assim como a alemã Giulia Gwinn e a brasileira Catarina Macario, que joga pelos EUA.

    Publicidade

    Em comum, todas essas atletas padeceram do rompimento do ligamento cruzado anterior (LCA) — embora Walsh tenha sido poupada do grave diagnóstico —, estrutura que confere estabilidade nas rotações e impede que a tíbia se desloque para frente do fêmur (veja a ilustração). É um dano comum no futebol, mas que surpreende pela incidência entre as mulheres. “Devido a muitas mudanças de direção, o esporte predispõe a entorses”, diz o ortopedista Ricardo Galotti, membro da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e do Exercício. Gramado irregular e falta de condicionamento apropriado podem ampliar os riscos. Até existem medidas para minimizar o perigo, como o fortalecimento da musculatura da coxa e do quadril, e o chamado treino proprioceptivo, que ajuda a conferir maior equilíbrio durante as movimentações. A ideia é resguardar o ligamento, que, uma vez rompido, só permite à jogadora retomar a carreira após uma cirurgia.

    Publicidade
    POR UM TRIZ - Putellas: duas vezes a melhor do mundo, a espanhola quase ficou fora
    POR UM TRIZ - Putellas: duas vezes a melhor do mundo, a espanhola quase ficou fora (Catherine Ivill/UEFA/Getty Images)

    Mesmo assim, as ameaças existem — ainda mais em se tratando de profissionais. Faltam, no entanto, estudos atrelados à anatomia feminina que ajudem a explicar os motivos que as tornam mais suscetíveis a esse tipo de lesão. A ciência já entende que as atletas têm de três a seis vezes mais chances de serem vítimas desse quadro em relação aos homens que praticam os mesmos esportes. A título de comparação, cinco das vinte indicadas à Bola de Ouro feminina em 2022 haviam rompido o ligamento. Em contrapartida, nenhum dos trinta homens candidatos ao prêmio sofreu a lesão.

    Existem diversas pesquisas que apontam a correlação entre as práticas esportivas com patologias do joelho, mas raramente aspectos relacionados ao corpo das mulheres são levados em conta. Acredita-se haver influência das variações de estrogênio, o hormônio feminino, que podem impactar o desempenho físico e aumentar a propensão a lesões nos períodos pré-ovulatórios e ovulatórios. O Chelsea, na Inglaterra, monitorou os ciclos menstruais das suas jogadoras em uma tentativa de reduzir os danos. Apenas duas tiveram problemas no ligamento desde 2018. O resultado indica o potencial da prevenção.

    Publicidade
    Continua após a publicidade

    arte joelho

    Saber que as mulheres têm maior probabilidade de machucar o joelho é indício de que algo precisa ser feito. A profissionalização das categorias de base, capaz de preparar as atletas para as competições futuras, torna-se ainda mais decisiva. Nas ligas masculinas, há muito investimento em capacitação de jovens jogadores, mas a situação é diferente no futebol feminino. Pensar em equipamentos apropriados, como chuteiras, é outro fator determinante. Uma pesquisa feita pela Associação de Clubes Europeus apontou que 82% das jogadoras sentem desconforto com os calçados atuais. A visibilidade que a Copa do Mundo confere à modalidade pode e deve iluminar a saúde das atletas. É o que se espera, por igualdade de gênero.

    Publicidade

    Publicado em VEJA de 9 de agosto de 2023, edição nº 2853

    Publicidade
    Publicidade

    Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

    Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

    O Brasil está mudando. O tempo todo.

    Acompanhe por VEJA.

    MELHOR
    OFERTA

    Digital Completo
    Digital Completo

    Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 2,00/semana*

    ou

    Impressa + Digital
    Impressa + Digital

    Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 39,90/mês

    *Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
    *Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

    PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
    Fechar

    Não vá embora sem ler essa matéria!
    Assista um anúncio e leia grátis
    CLIQUE AQUI.