Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O show das mulheres na Olimpíada de Tóquio

Em meio ao melancólico vazio das arquibancadas, efeito da pandemia, uma nova chama brilhou intensamente: foram Jogos marcados por destaques femininos

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 23 dez 2021, 08h23 - Publicado em 23 dez 2021, 06h00

A Olimpíada de Tóquio ficará para sempre marcada como a primeira sem a presença de torcedores e a única realizada em ano ímpar, com doze meses de atraso, em razão da pandemia que por pouco (e contra a vontade da maioria dos japoneses) não causou o cancelamento do evento. Em meio ao melancólico vazio das arquibancadas, uma nova chama brilhou intensamente. Foram os Jogos das mulheres, um retrato histórico e fiel das mudanças da sociedade. Em 2021, elas representaram 48,8% do total de atletas — foi a maior participação feminina da história. Antes da disputa, os olhos do mundo estavam voltados para Simone Biles, a genial ginasta americana alçada ao posto de estrela global depois de dominar o esporte nos últimos anos. Ela decepcionou no tablado, mas esbanjou coragem e humanidade, duas das bases do espírito esportivo, ao desistir de diversas provas devido a um quadro depressivo. Foi uma atitude inédita, que jogou luz sobre a questão da saúde mental — e que afeta homens e mulheres, ressalte-se. Na ausência de Biles, outra graciosa ginasta de pele negra e radiante sorriso roubou a cena. De Guarulhos para o mundo, Rebeca Andrade levou o Baile de Favela à capital japonesa e tornou-se a primeira brasileira a ganhar duas medalhas (ouro no salto e prata no individual geral) em uma mesma edição. Do topo do pódio, a atleta de 22 anos se lembrou de Biles. “Fiquei orgulhosa dela. Atleta é um humano, não um robô”, disse Rebeca, com jeito de menina e firmeza de mulher.

A caçula da delegação brasileira também brilhou em Tóquio. A maranhense Rayssa Leal, de apenas 13 anos, manteve o país vidrado madrugada adentro na estreia do skate como modalidade olímpica. Como se estivesse brincando com as amigas no parque, a Fadinha do Maranhão, de aparelho nos dentes, deu um show de manobras — e de carisma — e terminou com a prata no street. De quebra, clamou por igualdade de gênero: “Skate não é só para meninos”. Rebeca e Rayssa são novos ídolos nacionais e exemplos para uma legião de meninas talentosas e engajadas. Os Jogos de Paris, em 2024, estão logo aí. Quem sabe para celebrar as novas rainhas do esporte.

Publicado em VEJA de 29 de dezembro de 2021, edição nº 2770

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)