Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Neymar, Globo, Ronaldo e o conflito de interesses

Capitão se negou a dar entrevistas após fiasco, o que irritou Galvão - e certamente constrangeu o Ronaldo empresário

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 8 ago 2016, 14h46 - Publicado em 8 ago 2016, 10h31

Neymar, que no primeiro jogo havia dado sinais de amadurecimento, voltou a se descontrolar neste domingo, no vexatório empate com o Iraque. O capitão da equipe se negou a dar entrevistas na saída de campo e na zona mista (área onde os jogadores passam pelos  jornalistas) do Mané Garrincha – ao contrário, por exemplo, de Renato Augusto, o mais vaiado do time, que atendeu toda a imprensa. A atitude de Neymar coloca em discussão seu papel de líder do time e enfureceu quem paga uma fortuna para transmitir a Olimpíada. Saia justa para Ronaldo, que acumula as funções de comentarista da Globo (e eventual crítico de Neymar) e dono de uma das agências que cuida da imagem do atacante, a 9ine.

“As milhões de pessoas que estão em casa têm direito, sim, de ouvir. O seu ídolo, o seu jogador, aquele que joga com a camisa da seleção brasileira. É feio, muito feio, não é profissional, não é ético e não é correto, sair de campo e se negar a falar. Alguém tinha de assumir e falar”, atacou o narrador Galvão Bueno ao ver que nenhum jogador se dispôs a dar entrevistas no gramado. 

Sem citar nomes, Ronaldo tentou apaziguar o clima. “Acho que eles vão falar depois do banho, com a cabeça fria. São jogadores jovens, é de praxe”, disse, imediatamente cortado por Galvão: “É, mas não está certo”. O outro comentarista, Walter Casagrande, e o convidado Gustavo Kuerten também fizeram duras críticas ao time. 

Depois de uma carreira brilhante como atleta, Ronaldo vem acumulando funções: é empresário, comentarista, já atacou de cartola na Copa e cabo eleitoral nas eleições, ambas em 2014. Sua empresa, a 9ine, já não tem mais o prestígio dos anos iniciais, quando despontou na parceria com Anderson Silva, mas, segundo consta em seus sites, ainda tem estrelas em sua cartela de clientes, como a atriz Paolla Oliveira – e Neymar. 

O ex-jogador já disse diversas vezes que não vê conflito de interesses no fato de ter de avaliar o desempenho e as atitudes, em rede nacional, de seu principal cliente. Talvez ele precise explicar isso melhor ao amigo Galvão Bueno depois do fiasco em Brasília.

O narrador esportivo da TV Globo, Galvão Bueno e o comentarista Ronaldo
O narrador esportivo da TV Globo, Galvão Bueno e o comentarista Ronaldo Twitter/Reprodução
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês