Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Nada será como antes: as transformações da Copa do Mundo para 2026

O Mundial acontecerá em três países — Estados Unidos, México e Canadá — e com 48 seleções. É o início de novos problemas

Por Fábio Altman e Luiz Felipe Castro, de Doha
Atualizado em 4 jun 2024, 11h05 - Publicado em 9 dez 2022, 06h00

Para quem achou esquisita a Copa de 2002, disputada simultaneamente em dois países, o Japão e a Coreia do Sul, para quem achou estranho o torneio do Catar — o primeiro no Oriente Médio, com oito estádios a não mais do que uma hora de distância um do outro —, convém ir se preparando: o Mundial de 2026 será disputado em três países ao mesmo tempo, Estados Unidos, México e Canadá (veja no mapa abaixo). A final deve ser disputada na arena AT&T de Dallas, que evidentemente mudará de nome, por imposições comerciais da Fifa. E tem mais: serão 48 seleções, e não as tradicionais 32. Vai-se cumprindo, como atávico destino, a ideia do brasileiro João Havelange, que presidiu a entidade mandachuva do futebol de 1974 a 1998, de fazê-la mais forte e mais abrangente do que a ONU — ao custo de tenebrosas transações, como as que levaram ao Catar, uma monarquia absolutista que alimenta a misoginia e o preconceito contra a comunidade LGBTQIA+ e desdenhou da vida dos trabalhadores imigrantes que ergueram as luxuosas instalações esportivas e uma nova rede de metrô.

As Copas são reflexo de seu tempo, ímã das contradições da sociedade. Tê-la no Catar beira o inaceitável, mas não chega a surpreender. Em 1994, ela foi levada aos Estados Unidos, que engatinhava no futebol masculino — e se imaginava que a partir daquele momento haveria um salto de interesse (e portanto de lucros), que afinal não houve. O inchaço de 2026, portanto, ainda que soe exagerado, não pode ser tratado com espanto. Cabe entender as perdas e danos que o envolvem, para além do nó logístico com viagens tão longas e tantas seleções. Do ponto de vista do torcedor, e é isso que importa, o novo desenho forçará um modelo inédito de competição, com dezesseis grupos de três equipes, como foi acordado por vasta maioria dos dirigentes internacionais da bola.

arte Copa

A ideia pode resultar em aberrações que pareciam adormecidas e voltam como assombração, afeitas a mudar a extraordinária e apaixonante experiência de acompanhar uma Copa do Mundo. Haverá o risco, nas chaves com três times, de episódios como o malfadado “jogo da vergonha” entre Alemanha e Áustria na Copa de 1982, disputada na Espanha. Era o final da primeira fase. Um empate ou uma vitória dos austríacos mandaria os alemães de volta para casa. A vitória por 1 a 0 da equipe de Breitner e Rummenigge faria a seleção da Argélia arrumar as malas e os dois adversários em campo seguiriam no torneio. A farsa era evidente, depois dos germânicos marcarem logo aos dez minutos, com os dois times segurando o resultado que, na matemática, eliminaria os africanos do norte. Houve desassossego para as 41 000 pessoas no estádio e para quem acompanhava pela televisão. Ecoaram gritos em espanhol de “fuera, fuera”. Um torcedor alemão queimou sua bandeira. Muitos agitavam lenços brancos. O comentarista de uma emissora austríaca pediu aos telespectadores que desligassem seus aparelhos e durante trinta minutos ficou calado. Vistas hoje pelo You­Tube as imagens do corpo mole em cores desbotadas impressionam.

Para os envolvidos, um eufemismo pueril em tom de guerra definiu o duelo como o Nichtangriffspakt von Gijón — o pacto de não agressão de Gijón. Na prática, foi como se o mundo inteiro tivesse sido feito de pato. “O que aconteceu naquele dia constrangeu os organizadores da Copa e mudou o futebol para sempre”, disse o juiz escocês Bob Valentine, que apitou aquela partida — era a sua primeira em Mundiais — e também não passou incólume, criticado por não ter distribuído cartões amarelos aos contrafeitores. O presidente da federação da Argélia entrou com reclamação oficial contra o árbitro e as duas equipes. Não deu em nada, é claro, naqueles dias. Na Copa seguinte, contudo, foi inaugurado o formato de grupos com quatro seleções, o atual, de modo a impedir armações como a de quarenta anos atrás. Mas agora, refém do gigantismo, a Fifa ensaia dar o passo atrás. “O risco da formatação com grupos ímpares é muito grande, e não por acaso alguns membros da Fifa já tentam outro caminho”, diz Manoel Flores, ex-diretor de competições da CBF, um dos mais reputados especialistas em negócios e tendências do mercado de futebol.

Continua após a publicidade
FARSA - Alemanha e Áustria entraram em campo, em 1982, sabendo do placar de que precisavam: infame corpo mole -
FARSA - Alemanha e Áustria entraram em campo, em 1982, sabendo do placar de que precisavam: infame corpo mole – (Mönckedieck/picture alliance/Getty Images)

A Fifa, pressionada pela sombra do passado, a infâmia de Gijón, piscou. O ex-treinador francês Arsène Wenger, hoje chefe do Departamento de Desenvolvimento de Futebol da organização, admitiu no Catar, na semana passada, estarem levando à mesa outros dois formatos: doze grupos com quatro times cada um ou dois lados com 24 times. Fala-se até, na versão proposta inicialmente, a da trinca de times, de decisão por pênaltis em jogos que terminarem empatados já na etapa inaugural. O veredicto será anunciado apenas em 2023. Enquanto isso, o camelo permanecerá na sala, até que alguém o arraste para o deserto. O dilema: com os grupos de três, seriam realizadas oitenta partidas. O modelo de quatro ampliaria o número de jogos para inacreditáveis 104. Quem aguenta? É coisa demais — desde 1998, com 32 seleções, há 64 jogos. Quanto mais disputas, mais dinheiro, é natural. Agora em 2022 estima-se que a Fifa tenha lucro de 6,5 bilhões de dólares, fundamentalmente com patrocínios e direitos de televisão.

Estender a competição para além dos tradicionais trinta dias encheria ainda mais os cofres de Zurique, mas há um nó. As federações e os clubes europeus, especialmente, querem seus jogadores de volta e até os sindicatos de atletas chiam. Por um motivo simples: é tempo demais. “Pode até ser interessante atrair mais países, de modo a fomentar o esporte em outros cantos do mundo, mas há um problema de calendário e de possível enfraquecimento técnico do torneio”, diz Flores. Em outras palavras: fazer política, como a Fifa sempre fez, e simultaneamente ter seleções fortes, pode ser uma contradição em termos. Afinal, com 48 equipes, a chance de brotarem aberrações como o Catar e o Canadá, os lanterninhas do atual Mundial, é imensa. E lembremos: houve alguns resultados surpreendentes em 2022 — como a vitória da Arábia Saudita contra a Argentina e as do Japão contra Alemanha e Espanha. Contudo, entre os melhores, ficaram os de sempre, com uma ou outra exceção: Brasil, Argentina, França, Inglaterra, Portugal, Holanda e Croácia. Ressalve-se, ainda, que o presidente da Fifa, Gianni Infantino, não descartou fazer a Copa a cada dois anos.

FESTA - Os coreanos, depois de saberem pelo celular que o Uruguai, em jogo simultâneo, não tinha goleado: bom formato -
FESTA - Os coreanos, depois de saberem pelo celular que o Uruguai, em jogo simultâneo, não tinha goleado: bom formato – (Juan Luis Diaz/Quality Sport Images/Getty Images)

Mudar sempre é bom, embora o ser humano tenha medo de mudanças. A expansão é da vida, é do capitalismo, e, como o futebol virou uma máquina financeira — apesar da corrupção, apesar dos roubos —, é esperado que se pense na ampliação do tamanho da Copa. Não há, contudo, como fugir da lembrança de um triste tempo, no Brasil, quando o Campeonato Brasileiro de 2000, por exemplo — ironicamente chamado de Copa João Havelange —, teve 116 clubes de três divisões, na impossibilidade de aplicar os critérios de acesso e descenso do ano anterior. No tempo da ditadura militar, nos anos 1970, de promiscuidade entre a nata de Brasília e os cartolas — e as duas turmas se sobrepunham —, um jocoso lema casava o partido do governo com os clubes: “Onde a Arena vai mal, um time no Nacional”.

MENTOR - João Havelange: o pai da ideia do gigantismo sem freio da Fifa -
MENTOR - João Havelange: o pai da ideia do gigantismo sem freio da Fifa – (Peter Robinson/EMPICS/Getty Images)

Não é o que se deseja de uma Copa do Mundo. O que vale mesmo — apesar do recurso aborrecido do uso de equipes reservas com a classificação praticamente garantida, como fizeram França, Brasil e Portugal, derrotados por Tunísia, Camarões e Coreia do Sul na fase de grupos — é a bonita imagem dos jogadores coreanos ao fim da partida contra os lusitanos. No centro do gramado numa rodinha, abraçados, eles acompanhavam pelo celular o fim do jogo entre Uruguai e Gana. Os uruguaios ganhavam por 2 a 0 e não poderiam fazer outro gol, o que eliminaria os asiáticos pelo saldo. Foi comovente a festa — comprovação de que o esquema de agora, com grupos de quatro e jogos simultâneos na última rodada da primeira fase, é muito bom. É o avesso do inchaço que se propõe para a Copa de 2026, a correr pela América do Norte, de leste a oeste. Porém, como a força da grana ergue e destrói coisas belas, e a Fifa se especializou nisso, não há muito a fazer, a não ser esperar sentado no sofá, e ali ficar, semanas a fio, daqui a quatro anos. Nada será como antes.

Publicado em VEJA de 14 de dezembro de 2022, edição nº 2819

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.