Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Duelo de gente grande: a saudável disputa Simone Biles X Rebeca Andrade

O retorno vitorioso da americana, ao mostrar que os heróis das medalhas são feitos de carne e osso, ganha novo capítulo no embate com brasileira

Por Fábio Altman Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
15 out 2023, 08h00

Parecia impossível. O corpo suavemente retesado soltou-se do ponto mais alto das barras assimétricas, girou livre no ar, planou acima da segunda barra e pousou com impudente firmeza no solo do Stadium, em Montreal. Era 1976, a romena Nadia Comaneci, aos 14 anos, virara a pequena rainha da ginástica artística feminina — com a leveza de uma pluma (40 quilos distribuídos em 1,53 metro) e o peso do chumbo, dada a certeza dos passos. A nota 10, improvável, uma contradição em termos, espantou o mundo e desnorteou os técnicos suíços dos painéis eletrônicos que exibiam as avaliações dos jurados — como as marcações chegavam a apenas 9.9, deu-se um jeito de 1.0 parecer 10. Nadia foi a estandarte da primeira revolução na ginástica artística.

A segunda revolução tem como ímã a americana Simone Biles, de 26 anos. Comparar uma com a outra, embora soe reducionista, ajuda a entender o modo pelo qual o tempo moldou o esporte — em sucessivos movimentos de compreensão dos limites do corpo humano. Simone é mais rápida e mais forte — mas a rapidez e a força não a fazem menos graciosa. Uma e outra, ao recriar a modalidade, viraram mitos. Nadia voou no auge da Guerra Fria, tempo em que a explosão de atletas dos satélites da União Soviética era recebida com desconfiança, dada a sombra política que as cercava. Simone agora, estrela de um período em que tudo se sabe e tudo se vê, na ágora infinita de múltiplos espelhos das redes sociais. A uni-las o sorriso aberto emoldurado pela timidez.

HAVERÁ PARIS - A brasileira Receba Andrade: a única a conseguir rivalizar (e até superar) a genial atleta americana
HAVERÁ PARIS - A brasileira Receba Andrade: a única a conseguir rivalizar (e até superar) a genial atleta americana (Olivier Matthys/EPA/EFE)

Mas não seria errado afirmar, com a firmeza de uma cravada depois de um mortal, que Simone é maior, assim como Michael Phelps engoliria Mark Spitz, gênios das piscinas de eras distintas. Na semana passada, como se fosse preciso reafirmação, a ginasta de Ohio, adotada pelo avô materno, porque a mãe não tinha condições de criá-la, levou o ouro no individual geral feminino do Campeonato Mundial em Antuérpia. Ela venceu na soma de pontos das quatro provas do circuito para mulheres: solo, salto sobre a mesa, barras assimétricas e trave de equilíbrio. A prata ficou com a brasileira Rebeca Andrade, nome incontornável no maltratado rol de glórias brasileiras. Lembre-se que, nas provas por aparelhos, a brasileira levou ouro no salto, deixando Simone para trás.

Continua após a publicidade

E foi no salto, na disputa por equipes, que a moça dos EUA escreveu capítulo histórico. Ela realizou um salto impossível — agora rebatizado como “Biles 2”. Antes era o “Yurchenko Double Pike”, cujo movimento inicial foi executado, há décadas, pela soviética Natalia Yurchenko. Não é brincadeira: a ginasta salta de costas em direção ao aparelho, se apoia com as mãos, ganha impulso para fazer dois mortais com as pernas esticadas e as mãos sob os joelhos. São seis segundos de tirar o fôlego, seis segundos que a instalam entre os mais interessantes personagens do esporte, que foi ao fundo do poço para buscar ar.

ESPANTO - Nadia em 1976: o 10 que quase escapou do painel eletrônico
ESPANTO - Nadia em 1976: o 10 que quase escapou do painel eletrônico (./AFP)

Eis aí um outro ponto que a faz diferente de todas as outras e autoriza sua trajetória a sair das fronteiras dos ginásios. Na Olimpíada de Tóquio, em 2021, ela comoveu ao abandonar a competição, revelando-se humana, demasiadamente humana, deprimida e pressionada. Disse, depois de uma prova, estar passando por twisties. É fenômeno conhecido na ginástica. De repente, o corpo do atleta não responde mais a ele mesmo, e suas referências desaparecem. É uma espécie de desconexão que leva à desorientação. “Treinei a minha vida toda, eu estava pronta, mas algo aconteceu fora do meu controle”, disse. “Mas, no fim das contas, a minha saúde importa mais do que qualquer medalha.”

Continua após a publicidade

Corajosa, fez o que nenhum outro grande atleta tinha feito. Parou tudo, foi cuidar da vida, fez acompanhamento psicológico — e agora retornou. E Simone, ao atingir o improvável, depois da saída de cena, humanizou a atividade esportiva como nunca antes, fazendo de super-heróis gente de carne e osso. É muita coisa. “Simone impressiona pela precisão e pela capacidade de realizar exercícios que, até então, apenas os meninos conseguiam”, disse a VEJA a ex-ginasta Daiane dos Santos.

O mundo vai parar para acompanhar Simone nos Jogos de Paris, em 2024. Ela já tem quatro medalhas de ouro, uma de prata e duas de bronze, além de seis títulos mundiais. O pacote resulta em 34 medalhas, a mais premiada ginasta de todos os tempos. Vê-la duelando com Rebeca será bonito. Uma ao som — sem letras, claro — de Unicorn, da israelense Noa Kirel (“Ficarei de pé aqui como um unicórnio / sozinha aqui na minha / eu tenho o poder de um unicórnio”), e a outra com o Baile de Favela (“Que ela veio quente e hoje eu tô fervendo”). Haja delicada fervura.

Publicado em VEJA de 13 de outubro de 2023, edição nº 2863

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.