Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Copa do Catar: a última dança para Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar

Edição deverá representar a derradeira oportunidade para trio fazer história no maior palco do futebol mundial

Por Luiz Felipe Castro Atualizado em 8 abr 2022, 10h24 - Publicado em 10 abr 2022, 08h00
RIO DE JANEIRO, BRAZIL - JUNE 30: Neymar of Brazil kisses the FIFA Confederations Cup trophy after the FIFA Confederations Cup Brazil 2013 Final match between Brazil and Spain at Maracana on June 30, 2013 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by Laurence Griffiths/Getty Images)
NA MIRA - Cena rara: ele brilhou na Copa das Confederações há nove anos – Laurence Griffiths/Getty Images

arte futebol

Desde o primeiro Mundial de futebol, em 1930, até a consagração como evento globalizado, na virada para o século XXI, erguer a Copa do Mundo era o que eternizava nomes como Pelé, Maradona, Beckenbauer e Zidane na história do esporte mais popular do planeta. Havia ainda uma seleta lista de craques que fizeram bonito mesmo sem conquistar o título, como Cruyff, Puskás e Leônidas da Silva. O mundo mudou e, claro, o futebol também. Hoje em dia, brilhar em campeonatos como La Liga, a Premier League e, sobretudo, a Liga dos Campeões da Europa já é suficiente para forjar astros internacionais. A Copa, porém, continua sendo a cereja do bolo, a consagração final, e a edição do Catar, que terá início em 21 de novembro com Holanda x Senegal, pode representar uma derradeira chance para os três maiores atletas da última década.

Tudo leva a crer que esta será a “Última Dança” — expressão que ganhou fama com a série da Netflix The Last Dance, que narra o fim do histórico Chicago Bulls de Michael Jordan — de Cristiano Ronaldo, Lionel Messi e Neymar. Apesar de ser o mais jovem do trio, com 30 anos, o brasileiro foi o único da turma a falar abertamente sobre a chance. “Encaro esta como a última Copa porque não sei se terei mais condições, de cabeça, de aguentar mais futebol”, afirmou no ano passado, em série da DAZN. Depois, voltou atrás e disse que “o futuro a Deus pertence”. Cristiano, o mais velho, de 37 anos, tem demonstrado incômodo com as frequentes perguntas sobre a despedida. “Quem vai decidir o meu futuro sou eu e mais ninguém. Se me apetecer jogar mais um Mundial, jogo. Quem manda sou eu, ponto-final”, cravou antes da classificação portuguesa na repescagem, diante da Macedônia do Norte. Messi, de 34 anos, sempre mudo, radiante depois de ter conquistado seu primeiro troféu pela seleção, a Copa América de 2021 no Maracanã, tem evitado o tema.

RIO DE JANEIRO, BRAZIL - JULY 10: Lionel Messi of Argentina lift the Conmebol Copa America Trophy after winning the Final of Copa America Brazil 2021 ,during the Final Match between Brazil and Argentina at Maracana Stadium on July 10, 2021 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by MB Media/Getty Images)
DESAFOGO - Copa América: o craque ergueu uma taça pela Argentina só em 2021 – MB Media/Getty Images

arte futebol

Continua após a publicidade

O português e o argentino, que rivalizaram pelos prêmios de melhor do mundo na última década (sem dar nenhuma chance a Neymar), alcançarão uma marca expressiva em Doha: igualarão os mexicanos Antonio Carbajal e Rafa Márquez, o alemão Lothar Matthäus e o italiano Gianluigi Buffon como únicos a participar de cinco Copas. Uma sexta aventura na edição de 2026, que será sediada por Estados Unidos, Canadá e México, poderia, portanto, representar mais um recorde para a coleção da dupla. A tendência, porém, é que esta seja mesmo a derradeira chance de erguer o troféu que lhes falta.

Para tristeza dos fãs do jogo bonito, Cristiano, Messi e Neymar apresentam um natural declínio físico e técnico. Os três foram eliminados precocemente na Liga dos Campeões. Maior artilheiro da história em jogos oficiais, com 807 tentos, CR7 tem “apenas” dezoito gols em 33 jogos na atual temporada, na qual retornou ao Manchester United. Messi, que em 2012 bateu o recorde de 91 gols em um mesmo ano, fez míseros oito em 27 jogos pelo seu novo clube, o PSG. O parceiro Neymar tem sete bolas na rede em 22 partidas e há anos convive com constantes problemas físicos, além das confusões extracampo.

Cristiano Ronaldo forward of Portugal celebrates the victory of the trophy, UEFA Nations League Final match between Portugal and Netherlands at the Dragao stadium in Porto on June 9, 2019. (Photo by Paulo Oliveira / DPI / NurPhoto via Getty Images)
FALTA A COPA - Multicampeão: o ídolo faturou a Liga das Nações em 2019 – Paulo Oliveira/Getty Images

arte futebol

A boa notícia para Tite é que a seleção brasileira, que terminou as Eliminatórias invicta e com recorde de pontos, parece cada vez menos dependente de sua cambaleante estrela. O surgimento de velozes atacantes como Antony, Raphinha e Vinicius Junior deu novo fôlego ao time. “Teoricamente, nosso fora de série é o Neymar, mas quem disse que outros não podem fazer a diferença?”, questionou o técnico gaúcho a VEJA depois do sorteio dos grupos em Doha que colocou Suíça, Sérvia e Camarões na chave do Brasil. “Tanto os meninos da geração olímpica quanto os mais experientes, como Alisson, Thiago Silva ou Daniel Alves, podem ser decisivos.” A atual campeã, França, aparece como a favorita e ainda tem craques de que se orgulhar, como Kylian Mbappé e Karim Benzema. Brasil, Argentina e Portugal, porém, também são fortes candidatos. Eis a oportunidade de adeus glorioso para Cristiano, Messi e, sobretudo, Neymar.

Publicado em VEJA de 13 de abril de 2022, edição nº 2784

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)