Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Silvio é ‘irresponsável’ com sua ‘televisão medíocre’, diz Pedro Cardoso

O ator fez críticas a outros canais de televisão, incluindo a Globo, e ganhou apoio de globais como Paulo Betti e Miguel Falabella

Por Redação - Atualizado em 7 out 2019, 13h58 - Publicado em 7 out 2019, 12h34

Conhecido pelo forte posicionamento político, o ator Pedro Cardoso, famoso pelo papel de Augustinho Carrara publicou um longo texto nas redes sociais neste domingo, 6, em que criticou o dono do Baú, Silvio Santos, o SBT e o desfile mirim que ocorreu no programa de TV.

Faz tempo que venho querendo falar sobre Silvio, que de santo não tem nada.  Nunca gostei de Silvio. Acho o trabalho dele de péssima qualidade. Acho o programa dele chatíssimo. Acho que Silvio fez dinheiro vendendo ilusão para pobres brasileiros. Acho Silvio um irresponsável social. Acho que Silvio presta um desserviço ao Brasil com sua televisão medíocre e seu comportamento libidinoso e mal educado”, afirmou. 

Pedro ainda escreveu que esteve na emissora para dar entrevistas (no programa da Maísa e no de Danilo Gentili), mas que nunca gostou de ir até lá. Segundo ele, o apresentador é “garoto propaganda do fascismo brasileiro” e que se dedica a destruir a democracia brasileira.

O ator ainda faz criticas a outras emissoras, como a própria Globo, da qual ele fez parte em trabalhos como o seriado A Grande Família. “Sugiro que todas as concessões de sinal de rádio e TV sejam revistas em um futuro governo democrático; não à luz da politica partidária; mas da seriedade, da honestidade e do compromisso para com a democracia e o estado laico por parte de quem as pretende explorar.”

Publicidade

Outros atores, incluindo grandes estrelas da Globo, apoiaram Pedro por meio de mensagens na rede social. Paulo Betti, por exemplo, escreveu: “Boa, Pedro!” e o ator e diretor, Miguel Falabella disse: “Bravo!”. A Atriz Gorete Milagres, que fez a Filó em A Praça É Nossa, e que recentemente pediu emprego por meio das redes sociais, também apoiou o ator e disse que “concorda plenamente com o texto”.

Confira a postagem:

View this post on Instagram

Faz tempo que venho querendo falar sobre Silvio, que de santo não tem nada. Pudores de respeito para com a democracia me dificultavam, no entanto. Mas diante do concurso de beleza de crianças desfilando de maiô para serem julgadas por sua aparência, meus pudores deram lugar a revolta. Nunca gostei de Silvio. Acho o trabalho dele de péssima qualidade. Acho o programa dele chatíssimo. Acho que Silvio fez dinheiro vendendo ilusão para pobres brasileiros. Acho Silvio um irresponsável social. Estive na tv dele para dar entrevista sobre o meu trabalho e nunca gostei de ir lá! Silvio participa de longa data do projeto fascista brasileiro. Agora é garoto propaganda declarado dele! Acho que Silvio presta um desserviço ao Brasil com sua televisão mediocre e seu comportamento libidinoso e mal educado. Dane-se o meu pudor. Não me acho mais obrigado a garantir a democracia para quem se dedica a destruí-la. E não é só Silvio e o seu SBT. São inúmeras as concessões públicas de rádio e tv usadas para minar as bases intelectuais da nossa democracia. O compromisso para com a democracia nos exige tomarmos nítida posição contra quem a quer destruir. O poder da comunicação de massa é tamanho que as empress a quem nós cedemos o uso devem estar submetidas ao mais rigoroso compromisso democrático. E nisso incluo todas! Umas mais outras menos, TODAS – redes Globo, TV, Band… todas! – as empresas de comunicação de massa no Brasil ainda devem a nós uma muito mais responsável atuação. Os caminhos se fecharão para mim com o que digo aqui. Mas de que me valem caminhos abertos que conduzem ao lugar sombrio da ignorância?! Nada. Desfile de beleza infantil – doença norteamericana que Silvio e seus iguais tanto admiram – é uma afronta insuportável a dignidade da pessoa. São mesmo falsos os moralistas pseudo religiosos hoje no poder. O silêncio deles os revela! Sugiro que todas as concessões de sinal de rádio e tv sejam revistas em um futuro governo democrático; não a luz da politica partidária; mas da seriedade, da honestidade e do compromisso para com a democracia e o estado laico por parte de quem as pretende explorar. Rádios e tvs, devem ser lugar de seriedade. Viva a TV Cultura.

Publicidade

A post shared by Pedro Cardoso (@pedrocardosoeumesmo) on

 

Publicidade