Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Nova testemunha aceita falar e julgamento de Harvey Weinstein é adiado

O produtor seria julgado em setembro, mas com a entrada de uma terceira mulher que o acusa, a data foi alterada para janeiro de 2020

Por Redação - Atualizado em 27 ago 2019, 12h58 - Publicado em 27 ago 2019, 12h56

O produtor de cinema Harvey Weinstein, denunciado por mais de oitenta mulheres por agressões sexuais ao longo de vários anos, teve o seu julgamento, que deveria começar no início de setembro, adiado para 6 de janeiro de 2020.

A mudança acontece depois de uma terceira pessoa aceitar testemunhar contra ele, além das duas mulheres que já o acusam formalmente. A advogada Gloria Allred confirmou que a promotoria pediu a sua cliente, Annabella Sciorra, atriz famosa pelo filme A Mão que Balança o Berço (1992), que fosse testemunha no julgamento de Weinstein.

Annabella acusou o produtor, em outubro de 2017, em um artigo da revista The New Yorker, de tê-la estuprado em 1993, na casa da atriz em Manhattan.

O juiz James Burke estimou que o julgamento deva durar cerca de seis semanas. Se for considerado culpado, Weinstein pode ser condenado a uma pena máxima de prisão perpétua.

(Com Agência France-Presse)

Publicidade