Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Lei permite disciplina sobre ‘golpe de 2016’, avalia professora

Para docente da USP, autonomia universitária não é ilimitada, mas só deve ser quebrada em caso de desrespeito à pessoa humana ou incitação a crimes

Por Guilherme Venaglia Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 16h50 - Publicado em 1 mar 2018, 10h58

Confirmado como disciplina em três universidades públicas e como curso livre em ao menos mais duas, o estudo crítico do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), mesmo com a definição de “golpe de estado”, não fere as leis que regem o ensino superior, avaliou a professora Nina Ranieri, ex-secretária-geral da Universidade de São Paulo (USP) e hoje professora do curso de Direito da instituição.

A controvérsia começou na semana passada, quando a Universidade de Brasília (UnB) anunciou a oferta de uma disciplina optativa com o título “O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil”, dentro da grade do curso de Ciência Política, o que provocou uma reação do ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM). O ministro pediu a quatro órgãos de controle que apurassem se o professor responsável, Luis Felipe Miguel, e seus colegas de departamento cometeram o crime de improbidade administrativa, a má gestão da coisa pública.

Nina Ranieri argumenta que a legislação prevê que a aprovação de disciplinas deve ser feita pela própria universidade, cabendo aos docentes a regulação de eventuais excessos de quem as propõe, o que deve provocar insucesso das tentativas do MEC. “A resposta que o ministro Mendonça Filho deve receber é essa: se a criação das disciplinas obedeceu os estatutos das faculdades, não há o que se possa fazer. Está dentro das regras do jogo. A autonomia didática é de ensino, pesquisa e extensão”, afirmou.

Hoje assistente especial do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), a professora da USP explica, no entanto, que a autonomia universitária não é ilimitada. “As garantias não são ilimitadas. Você não pode fazer apologia a um crime, por exemplo. Existem limites para qualquer direito ou garantia. Uma disciplina com conteúdo altamente discriminatório, fazendo apologia ao nazismo, por exemplo, seria algo inadmissível”, afirmou.

Ela explica que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), que rege o ensino no país, deixa claro que as universidades podem criar, extinguir e modificar cursos de forma autônoma, mas colocando de antemão algumas travas. O primeiro inciso do artigo 53 reforça que as instituições devem fazer isso “obedecendo às normas gerais da União”, o que explica porque cursos de teor racista ou que fossem de encontro aos direitos humanos não seriam permitidos.

Continua após a publicidade

‘Proselitismo’

Para o ministro Mendonça Filho, foi cometido o crime de improbidade por se tratar de “proselitismo político e ideológico de uma corrente política usando uma instituição pública de ensino”. Para a professora Nina Ranieri, apesar do “título da disciplina não ser neutro”, “proselitismo é um termo vago e impreciso” e não está previsto na legislação. Procurado por VEJA, o professor Luis Felipe Miguel disse que não pretende “alimentar a polêmica artificial criada pelo MEC” e por isso não comentaria.

A Universidade de Brasília, em nota, reiterou seu “compromisso com a liberdade de expressão e opinião” e ressaltou que as unidades acadêmicas “têm autonomia para propor e aprovar conteúdos”. A UnB também alega se tratar de disciplina optativa.

Seguindo o exemplo da instituição, o ensino do “golpe de 2016” estará em optativas das universidades federais da Bahia (UFBA) e do Amazonas (Ufam) e em cursos livres oferecidos pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.