Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Experimentei, gostei, fiquei: um novo impulso à universidade a distância

Com as faculdades fechadas, alunos descobriram uma modalidade da qual não querem mais abrir mão

Por Ricardo Ferraz e Thaís Gesteira
Atualizado em 1 dez 2020, 10h51 - Publicado em 27 nov 2020, 06h00
  • Seguir materia Seguindo materia
  • Ensino on-line virou uma das palavras-chave deste 2020. Primeiro, teve conotação negativa, quase que sinônimo de caos, já que os alunos precisaram engatar a jato nas aulas a distância sem nenhum preparo para encarar tamanha sacudida. Quem mais sentiu o baque foram os menores, que estão aprendendo aos poucos a se virar e a ganhar independência. Já os universitários fizeram a passagem para o estudo remoto com maior suavidade, como era mesmo esperado: a maturidade é componente essencial para manter disciplina e foco e conseguir lidar sozinho com aqueles momentos de aspereza acadêmica. A boa experiência está agora levando uma parte da turma a dar caráter permanente a algo que se supunha provisório, em trilha semelhante à que percorrem jovens de outros países. Muita gente testou, gostou e está resolvendo ficar na modalidade conhecida oficialmente pela sigla EAD — a do ensino universitário a distância.

    Publicidade

    A desconfiança sobre as faculdades on-line já vinha se dissipando no Brasil, onde elas estrearam há pouco mais de duas décadas e por um bom tempo foram vistas como “graduação de segunda classe”. O avanço na qualidade dos cursos, aliado à assimilação deles pelo mercado de trabalho, lhes conferiu credibilidade. E assim a demanda escalou a ponto de, há um ano, se dar um marco histórico: pela primeira vez, o número de calouros se concentrou mais na modalidade a distância do que na presencial, cravando 2,5 milhões de jovens. No balaio universitário brasileiro, eles já representam um terço do total. Pois nestes últimos meses o fechamento dos portões universitários acabou por dar novo empurrão a esse nicho tão em alta mundo afora, atraindo gente que, antes, nunca consideraria estudar de casa. A paulista Thabata Cipriano, 24 anos, planejava iniciar a graduação em administração de empresas em uma sala de aula com lousa e professor do lado, até que assistiu às lições remotas de direito da cunhada e resolveu dar uma chance ao EAD, sem convicção. “É uma vantagem poder definir hora e lugar para estudar, além de assistir ao conteúdo quantas vezes quiser. Não volto para o presencial”, decreta.

    Publicidade
    .
    . (./.)

    A presença desse público vem deixando mais heterogêneo o perfil dos frequentadores das aulas virtuais — tipicamente mais velhos, em busca de mensalidades mais baratas e embalados em algum emprego. “O rol dos alunos de EAD já estava mais abrangente e diversificado, e isso se acentua neste momento em ritmo veloz”, pontua Sólon Caldas, diretor-executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior. Uma ala dos novatos nesse grupo é formada por um pelotão que, às voltas com o home office, avaliou ser boa hora para encaixar os estudos à rotina e regressou às carteiras sem sair de casa. Aos 41 anos, o advogado Benedicto Patrão arranjou um tempinho para realizar o sonho de cursar filosofia. “Venci meus preconceitos e estou adorando”, afirma ele, que se reveza entre dois escritórios e ainda leciona. Outra turma de recém-chegados ao EAD experimentou e decidiu migrar de vez para a modalidade depois de considerar as incertezas sobre quando sua universidade reabriria, além do preço. “Nesses dias difíceis, economizei 600 reais por mês e não sinto que tenha perdido no aprendizado”, diz o paulista Victor Gabriel, 20 anos, que estuda design.

    Continua após a publicidade

    O reflexo desse movimento se traduz nos números captados em um recente levantamento que analisou as idas e vindas dos grupos de ensino listados na bolsa, como Cogna e Yduqs, entre julho e setembro deste ano. O estudo, do banco Santander, conclui que, após o declive dos primeiros tempos pandêmicos, o EAD é hoje o que os faz crescer — enquanto os ingressantes no ensino presencial recuaram até 37%, nos cursos a distância a subida chegou a 54%. “Estamos em plena segunda fase do avanço da universidade on-line”, define João Vianney, da consultoria Hoper. Escolados nesse terreno, professores e alunos alertam sobre a necessidade de escolher o curso de forma criteriosa, informar-se de quão interativa será a experiência e se organizar em casa (veja o quadro). “A distância exige empenho extra, mas a flexibilidade me conquistou”, resume a fotógrafa carioca Gleice Medeiros, hoje aluna de ciências biológicas. Flexibilidade, aliás, é outro dos vocábulos em alta nestes tempos de tanta transformação.

    Publicado em VEJA de 2 de dezembro de 2020, edição nº 2715

    Publicidade

    Publicidade

    Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

    Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

    O Brasil está mudando. O tempo todo.

    Acompanhe por VEJA.

    MELHOR
    OFERTA

    Digital Completo
    Digital Completo

    Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 2,00/semana*

    ou

    Impressa + Digital
    Impressa + Digital

    Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

    a partir de R$ 39,90/mês

    *Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
    *Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

    PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
    Fechar

    Não vá embora sem ler essa matéria!
    Assista um anúncio e leia grátis
    CLIQUE AQUI.