Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Uber: autor do PLC 28 quer anular mudanças feita pelo Senado

Deputado Carlos Zarattini diz que trecho que retira obrigação de que serviço seja autorizado pelas prefeituras é central no projeto de lei

Por Felipe Machado Atualizado em 1 nov 2017, 17h58 - Publicado em 1 nov 2017, 17h56

O autor do PLC 28, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), que regulamenta o transporte privado de passageiros por aplicativo, quer devolver o controle do serviço às prefeituras. O trecho sobre o assunto foi alterado no Senado nesta terça-feira, durante votação das emendas do projeto de lei após pressão de empresas do setor, como Uber, 99 e Cabify.

 

Os senadores aprovaram três destaques (mudanças em relação ao texto principal), alterando quatro pontos da medida. Uma das alterações foi a remoção da exigência de que os motoristas tenham autorização da prefeitura para exercer a atividade.

O projeto de lei diz que cabe às prefeituras regulamentar e fiscalizar o serviço. Segundo Zarattini, a autorização é ponto central no texto e, por isso, ele acredita que a Câmara vai reverter a alteração. “Se for retirado o poder de regulamentação, não tem como fiscalizar. Não se fiscaliza o que não se regula”, disse à reportagem de VEJA.

O parlamentar afirma que vai trabalhar para reverter também as outras alterações – que retiram a exigência de os automóveis terem placas vermelhas, com registro em nome do condutor e na cidade em que o serviço é prestado. As mudanças atenderam às demandas das empresas, que diziam que regulações do tipo burocratizariam demais o serviço, e tornariam o modelo de negócio inviável.

Com as alterações aprovadas ontem no Senado, os motoristas de aplicativos serão obrigados a ter registro de atividade profissional na habilitação, contribuir com o INSS (na modalidade individual) e o serviço deverá contar com seguro Acidentes Pessoais a Passageiros (APP) e Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT).

O texto-base do PLC foi aprovado por 46 votos a 10, e precisa passar novamente pela Câmara antes de ir à sanção presidencial.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês