Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

William Shakespeare, o primeiro ambientalista

Novo livro publicado no Reino Unido identifica a preocupação do dramaturgo com problemas sociais ligados à natureza

Por Marilia Monitchele
11 mar 2023, 08h00

A obra inescapável e universal do dramaturgo inglês William Shakespeare (1564-1616) não é apenas um monumento das letras que continua inspirando escritores, cineastas e outros artistas mais de quatro séculos depois de sua morte, mas é peça fundamental na maneira como os seres humanos se acostumaram a discutir sua própria humanidade. O olhar crítico do bardo, muitas vezes debochado, mas sempre perspicaz, foi fundamental para interpretar os meandros da alma humana, as dores e amores de todos nós. Essa habilidade é celebrada há séculos. Agora, uma outra faceta de seu trabalho começa a ser revelada: a preocupação ambiental, muitas vezes oculta em peças extremamente populares.

Publicado recentemente pela editora Oxford University Press, ligada à Universidade de Oxford, o livro Shakespeare Beyond the Green World: Drama and Ecopolitics in Jacobean Britain (ainda inédito no Brasil), de Todd Borlik, especializado em literatura renascentista, propõe interpretações heterodoxas sobre algumas peças clássicas. Personagens como Mac­beth e Rei Lear, segundo ele, passam por momentos de epifania para mostrar a arrogância e a crueldade dos seres humanos. “Shakespeare usa a realeza como uma metáfora para o controle humano do meio ambiente”, diz Borlik. “Quando reis descobrem que a terra não existe para atendê-los, suas peças estão nos ensinando a abandonar as ilusões de que temos o direito de dominar o planeta.”

DOR - Quadro de Tiepolo retrata a peste: o bardo perdeu parentes para a doença
DOR - Quadro de Tiepolo retrata a peste: o bardo perdeu parentes para a doença (Mauro Magliani/Electa/Mondadori Portfolio/Getty Images)

O ambientalismo de Shakeaspeare pode ser decifrado em textos relevantes do gênio de Stratford-upon-Avon. A Tempestade, tida com a última peça escrita pelo gênio das letras, se passa em uma ilha remota. Durante muito tempo, acreditou-se que ela ficava no Mediterrâneo, ou era uma alegoria para a América, cuja “descoberta” pelos europeus ainda era recente. Borlik, contudo, afirma se tratar de uma referência ao processo de drenagem dos pântanos das Fenlands, no leste da Inglaterra. A decisão do governo de transformar a região em campo agricultável encontrou resistência popular, e alguns cidadãos sabotaram o processo com atos que hoje em dia seriam chamados, jocosamente, de “ecoterroristas”.

Há outras descobertas. Na tragédia Coriolano, o dramaturgo trata da revolta da população contra a decisão do governo de armazenar grãos e vetar o acesso dos cidadãos aos alimentos. Embora ambientada em Roma, faz referência à colonização da província irlandesa de Ulster, levada a cabo pelo rei Jaime I. Terras eram confiscadas dos antigos líderes gaélicos, grandes fazendas eram fundadas pelos membros das classes abastadas da Inglaterra e colonos eram enviados para cuidar das plantações, provocando a revolta da comunidade. Em Conto de Inverno, a rainha Hermione é acusada de adultério e despida de suas roupas feitas de pele em uma cena que, segundo Borlik, serve de metáfora para a esfola de um animal. A crítica seria direcionada ao rei Jaime I, um entusiasta da caça. Em Macbeth, o autor menciona uma onda de calor em cenas que mostram seu interesse pela natureza — e podem ser lidas como previsão do aquecimento global.

Continua após a publicidade
NA MIRA - Rei Jaime I da Inglaterra: obras do escritor lamentam o gosto do monarca por sangrentas caçadas
NA MIRA - Rei Jaime I da Inglaterra: obras do escritor lamentam o gosto do monarca por sangrentas caçadas (Fine Art Images/Heritage Images/Getty Images)

A preocupação de Shakespeare pelo impacto da ação humana na natureza não é à toa. O dramaturgo nasceu logo depois de um surto de peste que matou um quinto da população e causou impacto em sua família. Nas décadas seguintes, outras chagas mataram amigos do autor e espalharam o medo entre a população. Quando o número de mortos atingia um certo nível, o isolamento social era imposto e teatros e bordéis eram fechados na expectativa de reduzir a contaminação. Nos períodos de quarentena, Shakespeare escreveu algumas de suas peças mais conhecidas, como Rei Lear, Macbeth e Antônio e Cleópatra.

Embora apresente uma perspectiva surpreendente das obras de Shakespeare, Borlik, a rigor, não inaugura um novo campo de estudos. Ele trata de iluminá-lo com ênfase. Em 2015, o crítico e pesquisador do trabalho shakespeariano Randall Martin lançou Shakespeare and Ecology, uma das primeiras análises a abordar a militância política do autor. Além das peças mencionadas por Borlik, Martin analisa outras questões atreladas aos danos ambientais, como o desmatamento apresentado em As Alegres Comadres de Windsor e a agricultura voltada para o lucro a qualquer custo em Como Gostais. Shakeaspeare estava, definitivamente, muito à frente de seu tempo. Lê-lo aos olhos de hoje, e interpretá-lo de mãos dadas com a natureza, é um exercício agradável — e fundamental, porque só temos um planeta Terra.

Publicado em VEJA de 15 de março de 2023, edição nº 2832

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.