Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Quem é Jonathan Ferr, o novo xamã do jazz nacional

Nascido no bairro carioca de Madureira, o pianista luta para popularizar o gênero na periferia, mesclando-o com ritmos como hip-hop e R&B

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 8 abr 2022, 10h23 - Publicado em 10 abr 2022, 08h00
FUTURISMO - Ferr: visual afro arrojado e inspiração em John Coltrane e Sun Ra -
FUTURISMO – Ferr: visual afro arrojado e inspiração em John Coltrane e Sun Ra – Renan Oliveira/Divulgação

Até pouco tempo atrás, o pianista Jonathan Ferr precisava pegar ônibus e metrô para sair de Madureira, na Zona Norte do Rio de Janeiro, se quisesse ver apresentações ao vivo de jazz. Como as noitadas acabavam tarde, muitas vezes ele se viu sem transporte público para voltar da Zona Sul ao bairro onde nasceu, trajeto que poderia durar mais de uma hora. “Mas eu estava tão apaixonado pelo jazz que queria me nutrir dele”, disse Ferr a VEJA, pouco antes de se apresentar ele próprio no palco da tradicionalíssima filial paulistana da casa nova-ior­quina Blue Note. O pianista de 34 anos passou de plateia a atração principal nesses locais sem perder de vista uma cruzada pessoal: popularizar o jazz na periferia. Em seu novo álbum, Liberdade, o terceiro da carreira e com lançamento programado para o segundo semestre, ele quer ampliar o alcance do gênero mesclando-o com R&B, hip-hop e música eletrônica.

A Love Supreme
O livro do jazz: de Novas Orleans ao século XXI

Ferr começou a se interessar pelo piano ainda criança, assistindo ao programa Pianíssimo, da Rede Vida, com seus pais. Aos 8, ganhou um tecladinho e começou a dedilhar por conta própria as primeiras notas, inspirado em Tom Jobim. Na adolescência, se apaixonou pelo álbum A Love Supreme, de John Coltrane, e decidiu que seria músico de jazz. A profissionalização viria alguns anos depois, ao ganhar uma bolsa e se formar na Escola de Música Villa-Lobos, no Rio. Nada disso, porém, teve tanta influência nele quanto as ideias do americano Sun Ra, compositor de jazz e filósofo pioneiro do afrofuturismo, movimento que usa elementos da ficção científica para dar protagonismo aos negros. O álbum anterior de Ferr, Cura (2021), é um exemplo disso. Nele, o pianista usa elementos do afrofuturismo, budismo e rituais xamânicos para compor o que chamou de “música-medicina” — melodias que, segundo ele, acalmam e curam a alma das pessoas. Adepto do universalismo, crença esotérica de que todos estão destinados à salvação eterna, Ferr lembra que Cura surgiu durante a pandemia, e veio de uma provocação: “Quando você tem uma cicatriz, ela está ali para dizer que você se feriu ou que se curou?”. “Falamos da cura física, mas e a cura mental e psicológica? O que nos cura?”, divaga.

História social do jazz

Com esse jeitão profético e uma perícia no piano que levanta até a mais entediada plateia, Ferr surge como um sopro de renovação no jazz no Brasil, país onde o gênero sempre foi visto como elitista — ao contrário dos Estados Unidos, em que suas raízes remontam à música negra de Nova Orleans no início do século XX. É justamente essa impressão que Ferr deseja jogar por terra. Seus próximos shows atestam sua coerência. Em 13 de maio, ele volta a se apresentar no Blue Note, em São Paulo. Mas quinze dias depois fará um show no Méier, subúrbio do Rio. No bairro, aliás, ele já fez apresentações de jazz a 1 real. Na ocasião, uma senhora doméstica o abraçou e disse que ouvia os patrões falando de jazz, mas que jamais imaginou que poderia ser a música que ele faz. Não por acaso, Ferr é o único músico instrumental do cast da Som Livre, gravadora que nos últimos anos focou suas contratações em duplas sertanejas e no funk. “Quero repensar a música preta e o jazz no Brasil”, afirma ele. O mundo só muda, é fato, ao ritmo das grandes ambições.

Publicado em VEJA de 13 de abril de 2022, edição nº 2784

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

A Love Supreme
A Love Supreme
O livro do jazz: de Novas Orleans ao século XXI
O livro do jazz: de Novas Orleans ao século XXI
Paz & Terra
História social do jazz

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês