Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

“O planeta é vulnerável”, diz o naturalista David Attenborough

Maior estrela mundial dos documentários sobre a natureza, o inglês de 94 anos diz que o Brasil lucraria mais se preservasse a Amazônia

Por Jennifer Ann Thomas Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 14h24 - Publicado em 15 jan 2021, 06h00

Em A Perfect Planet (BBC One), que deve estrear no Brasil este ano, o senhor inclui a ação do homem entre os fatores que causam transformações no planeta. Qual a importância de entender esse impacto? Creio que a maior parte da população já entendeu que estamos em um ponto crucial para a Terra. Nos aproximamos cada vez mais de grandes desastres, provocados especialmente pelo modo como tratamos o planeta. Mas podemos evitá-los, se entendermos quais são os perigos de nossa ação. Nosso planeta é maravilhoso, mas muito vulnerável.

Qual o real peso da ação humana sobre o meio ambiente, afinal? Existem três vezes mais seres humanos hoje do que quando comecei a fazer programas de televisão, há seis décadas. E a humanidade vem tratando o planeta muito mal. Se não encontrarmos uma maneira saudável de conviver com os recursos naturais, estaremos encrencados. Por isso, precisamos ter a consciência coletiva de que só um comportamento sustentável pode reverter a situação. Temos de reconhecer o problema e compreender com clareza quanto o futuro da Terra depende de como a tratamos hoje. Se continuarmos sem essa visão de futuro, será uma catástrofe.

A série demandou quatro anos de filmagem, em 31 países, entre eles o Brasil. Qual sua opinião sobre a situação ambiental por aqui? É de conhecimento geral que a Amazônia está sendo destruída. O Brasil tem uma participação essencial no clima global e suas ações afetam a todos nós no resto do mundo. Na próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP (programada para novembro de 2021), é importante que princípios sejam estabelecidos. Quando países diferentes fazem contribuições para o bem-­estar do mundo, eles devem chegar a um acordo econômico, uma forma de trabalhar em conjunto, não um contra o outro. Será maravilhoso quando o Brasil entender que é economicamente melhor deixar a floresta em pé do que derrubá-la.

O que o senhor espera da política ambiental brasileira? O mundo precisa, desesperadamente, de florestas vivas. Entre muitas funções, elas armazenam carbono, ajudando a manter a estabilidade do clima no globo inteiro. Logo, dependemos muito do Brasil. Qualquer árvore derrubada é um dano para a situação atual. Quanto mais árvores caírem, pior será. Se fosse possível acabar com a devastação agora, seria um ganho imenso.

Continua após a publicidade

O que as pessoas, individualmente, podem fazer pelo meio ambiente? Reduzir as demandas que cada um de nós tem sobre o planeta. Pensar sobre a comida que consumimos, a quantidade de carne, e o tanto que jogamos fora. Preferir fontes de energia limpa, para não produzir poluentes. Se cada um de nós fizer um pouquinho, será uma contribuição de grande ajuda para o planeta todo.

Publicado em VEJA de 20 de janeiro de 2021, edição nº 2721

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.