Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Jon Hamm: ‘Solteiro com filhos’ é uma história para adultos

Galã de 'Mad Men' fala de como foi atuar e produzir uma comédia romântica ao lado da mulher, Jennifer Westfeldt

Por Carlos Helí de Almeida 7 jun 2012, 12h22

“Gosto de boas roupas, confesso que sou um grande fã. Vários estilistas têm feito ternos e smokings maravilhosos para mim. Acho que apurei meu gosto por roupas depois da série de TV. Neste momento, estou usando um terno Salvatore Ferragamo. Giorgio Armani fez um smoking para mim que é bárbaro, já usei várias vezes. Sinto-me como um James Bond na Lua!”

Foi uma longa e tortuosa estrada para Jon Hamm. Assim como o colega George Clooney, o ator americano amargou papéis sem destaque um atrás do outro na televisão e no cinema antes que o sucesso batesse à sua porta. No início da carreira, foi professor de arte dramática de um colégio de Los Angeles e, por quase uma década, trabalhou como barman enquanto fazia participações em filmes inexpressivos e interpretava tipos estranhos em seriados como CSI: Miami, Charmed e Gilmore Girls.

Então, veio o hype de Mad Men e, da noite para o dia, Hamm foi alçado ao posto de sex symbol da América e galã de Hollywood aos 36 anos. A popularidade mundial da série, na qual interpreta Don Draper, talentoso executivo de uma agência de publicidade da Nova York dos anos 1960, escancarou as portas da indústria audiovisual, a ponto de tornar-se produtor da comédia romântica Solteiros Com Filhos, dirigido, escrito e coestrelado por Jennifer Westfeldt, sua companheira há 14 anos.

No filme, em cartaz nos cinemas desde a última sexta-feira, Hamm também interpreta uma das metades de um dos casais da trama, que lidam com as agruras e os prazeres da paternidade na idade madura. “Não conseguiríamos ter levantado recursos em tão pouco tempo e conseguido montar um elenco tão expressivo – que inclui Kristen Wiig, Edward Burns e Megan Fox – não fosse o fenômeno por trás de Mad Men“, admitiu o ator de 41 anos, em entrevista durante o Festival de Cannes.

Sentiu-se intimidado de alguma forma por trabalhar sob as ordens de sua companheira, no set de Solteiros com filhos?

Intimidação, não, mas é, obviamente, um desafio trabalhar com alguém que lhe é tão íntimo, porque você acaba levando trabalho para casa. Mas isso teve um lado bom. Ela tinha, em casa, tantas preocupações sobre o processo de filmagem que nós sentamos e trocamos ideias a respeito, porque nós também somos produtores do filme. No fim das contas, eu também me senti muito útil.

O filme é uma comédia romântica sobre o impacto da paternidade sobre a vida de um grupo de amigos. Como você o descreveria?

Alguém já o descreveu muito sucinta e apropriadamente como uma história para adultos sobre pessoas que chegam à maturidade. É sobre isso, e sobre como é criar filhos para a maior parte da população do mundo.

Você e Jennifer ainda não têm filhos. O que o ajudou a torná-lo um homem maduro e responsável?

Acho que coisas como a responsabilidade de estar em uma relação amorosa longa e duradoura, a responsabilidade de ser o protagonista de um programa de TV de sucesso, a responsabilidade, enfim, de ser um adulto neste planeta. Uma das piores coisas no mundo de hoje é ver adultos se comportando como crianças, vestindo-se como Justin Bieber. Há certa dignidade e um certo nível de responsabilidade e respeito nas pessoas que se comportam de acordo com a sua idade.

‘Mad Men’ lhe garantiu aura de ídolo, no qual fãs do mundo inteiro se espelham. O que acha de pessoas que tentam copiar Don Draper, seu personagem no programa?

Vejo como um tremendo elogio. Acho que, independentemente das características meio nefastas do meu personagem, é legal que as pessoas se identifiquem com o programa. Obviamente, uma das maiores qualidades da série é que ela é de muito bom gosto, tem um visual estiloso, que evoca um determinado período de nossa história. Embora ambientada numa época distante o suficiente para ser interpretada como passado, é uma série muito moderna em muitos aspectos.

Continua após a publicidade

Você conheceu a fama depois dos 35 anos. Houve momentos, antes de ‘Mad Men’, em que você chegou a pensar em desistir da profissão?

Houve muitos momentos de dúvida, seguidos de alguns breves estímulos durante os meus primeiros 15 anos em Los Angeles. Mas atuar não é muito diferente de jogar golfe. Você pode dar 30 péssimas tacadas antes de acertar um buraco, e sair por aí imaginando que entendeu o jogo. O que, claro, não é o caso; você apenas teve sorte em algum momento de sua trajetória, o que é uma analogia muito parecida com a interpretação. A gente nunca domina a coisa, só tem sorte de vez em quando.

Depois de cinco anos na pele de Don Draper, cinco meses ao ano, ainda é fácil despir-se do personagem quando está em casa?

Não é muito difícil, não. Na verdade, é muito bom deixar Don Draper no escritório. É legal tirar o terno dele e voltar para casa todas as noites. Foi especialmente reconfortante durante as filmagens da quarta temporada (exibida no Brasil ano passado), que exibiu muito de mim, como ator. Foram episódios muito emotivos e tristes, havia muitas sequências sombrias.

Don Draper é um símbolo de elegância. Você se interessa por moda?

Gosto de boas roupas, confesso que sou um grande fã. Vários estilistas têm feito ternos e smokings maravilhosos para mim. Acho que apurei meu gosto por roupas depois da série de TV. Neste momento, estou usando um terno Salvatore Ferragamo. Giorgio Armani fez um smoking para mim que é bárbaro, já usei várias vezes. Sinto-me como um James Bond na Lua!

Assim como Don Draper, James Bond tem ternos e smokings impecáveis. Gostaria de um dia ser o 007?

Temos um ótimo James Bond no momento (o ator britânico Daniel Graig). Esse posto já está ocupado… De qualquer forma, James Bond é um personagem icônico e essencialmente britânico, nunca me imaginaria no papel, porque não acho que seja um tipo para um americano interpretar. Mas temos várias outras opções americanas legais. Como Jason Bourne da franquia Identidade Bourne. Então, acho que há outras oportunidades para mim nesse tipo de filme. Acho até que esse tipo de personagem ficaria bem em mim. Estou um pouco velho, mas…

Faria filmes de ação? Você se considera uma cara ágil, em boa forma?

Estou relativamente em forma. Claro que faria filmes de ação! Fui atleta toda a minha vida, e adoro esse tipo de filme.

Que tipo de atividade física pratica?

Já joguei futebol americano, beisebol e fui nadador. Também joguei futebol (inglês). Hoje jogo tênis e golfe. Prefiro praticar esportes a frequentar academias. Não as suporto.

O status de celebridade tem seus inconvenientes. A popularidade interferiu com o seu estilo de vida?

Não tem sido tão ruim assim. Felizmente, não sou um alvo dos tabloides tão cobiçado assim, porque sou muito velho e levo uma vida relativamente entendiante. Então, não temos toda essa atenção, o que é maravilhoso. Somos bastante reservados e gostamos de ser assim.

Continua após a publicidade
Publicidade