Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Google tem tributo a Rachel de Queiroz, que faria 107 anos

Escritora cearense foi a primeira mulher a ocupar uma cadeira na Academia Brasileira de Letras

Por Da redação Atualizado em 17 nov 2017, 11h26 - Publicado em 17 nov 2017, 10h59

A escritora Rachel de Queiroz completaria 107 anos nesta sexta-feira e o Google preparou um doodle em sua homenagem. Na imagem, a cearense nascida no dia 17 de novembro de 1910 aparece à frente de uma ilustração de retirantes na seca do Nordeste, cena recorrente em suas obras.

Rachel foi a primeira mulher a entrar na Academia Brasileira de Letras (ABL). A escritora obteve reconhecimento logo no seu primeiro romance, publicado aos 20 anos de idade: O Quinze, que retrata de questões sociais da região do Brasil ao mesmo tempo em que constrói uma trama psicológica dos seus personagens. O livro é considerado um dos grandes romances do Modernismo Brasileiro.

A temática abordada pela romancista reflete muito do que passou em sua própria vida. Aos 7 anos de idade, Rachel mudou-se para o Rio de Janeiro com a família, para fugir da grande seca de 1915. A romancista ainda morou em Belém do Pará antes de regressar para Fortaleza em 1919.

Depois de O Quinze, escreveu João Miguel em 1932 e Caminho de Pedras em 1937. Em 1950, publicou em formato de folhetim, na revista O Cruzeiro, o romance O Galo de Ouro. Escreveu crônicas, peças de teatros e colaborou com veículos como Diário de Notícias e O Jornal.

Rachel ainda foi membro do Conselho Federal de Cultura entre 1967 e 189, participou da 21ª Sessão da Assembleia Geral da ONU em 1966 como delegada do Brasil e foi eleita para ocupar a quinta cadeira da Academia Brasileira de Letras em 1977. Além disso, recebeu o Prêmio  Nacional de Literatura de Brasília pelo conjunto de obra em 1980 e o Prêmio Luís de Camões em 1993.

A escritora morreu em 2003, aos 92 anos, vítima de um infarto no miocárdio enquanto dormia na sua casa, no Leblon. Entre suas principais obras, ainda ficaram marcadas As Três Marias, de 1939, e Memorial de Maria Moura, de 1992, que virou minissérie na TV Globo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)