Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Datas: Alfredo Bosi e Gianluigi Colalucci

O crítico literário e o restaurador

Por Da Redação Atualizado em 8 abr 2021, 20h19 - Publicado em 9 abr 2021, 06h00
INOVADOR - O crítico literário: obra fundamental sobre a cultura brasileira -
INOVADOR - O crítico literário: obra fundamental sobre a cultura brasileira – Antonio Milena/.

Em 1970, as 567 páginas da História Concisa da Literatura Brasileira, de Alfredo Bosi, foram recebidas como um clássico instantâneo dos estudos sobre a cultura do país. De lá para cá, foram 52 reedições. Tratava-se de inédito olhar, de um professor de apenas 34 anos, para o barroco e o modernismo, passando pelo romantismo e o realismo, simultaneamente profundo e didático. Eis o que disse o genial ensaísta Otto Maria Carpeaux a respeito do volume, assim que foi lançado: “Trata-se dessas obras, poucas, que a gente não coloca numa estante qualquer, mas em cima da mesa de trabalho, para consulta permanente”.

O que Bosi fez, enfim, foi a história viva da literatura brasileira. Professor emérito da USP, membro da Academia Brasileira de Letras, era considerado um dos maiores críticos literários do país, sempre atento às vozes populares, à linguagem arcaica e inovadora, à margem do oficial. Em entrevista às Páginas Amarelas de VEJA, em 1975, ele fez questão de destacar a beleza de Guimarães Rosa nessa luta diária “pelo avesso da fala estandardizada”, na eterna briga entre o funcionário de carreira do Itamaraty e o escritor de Grande Sertão: Veredas. Assim, nas belas palavras de Bosi: “Na zona de seu inconsciente criador estava Riobaldo com seus pactos mágicos e na zona do consciente Rosa era o diplomata”. Bosi tinha 84 anos. Morreu em São Paulo, em decorrência de complicações da Covid-19.

As cores da Capela Sistina

CAMADAS - O restaurador italiano: do jeito que Michelangelo pintou -
CAMADAS - O restaurador italiano: do jeito que Michelangelo pintou – Gianni Giansanti/Getty Images

Michelangelo levou quatro anos para pintar os afrescos do teto da Capela Sistina e outros seis para acabar o Juízo Final, obras-primas do Vaticano. O restaurador Gianluigi Colalucci precisou de cerca de catorze anos, a partir de 1980, para tirar fuligem e poeira da obra, devolvendo-lhe as supostas cores originais. Saíram as tonalidades escuras e sombrias, despontaram matizes claros e brilhantes. Colalucci tinha 91 anos. Morreu em 28 de março, de causas não reveladas pela família, em Roma.

Publicado em VEJA de 14 de abril de 2021, edição nº 2733

Continua após a publicidade
Publicidade