Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

‘Amor, Sublime Amor’: Spielberg recria clássico na era da diversidade

Ao revisitar o filme de 1961, o cineasta o transforma em um colorido manifesto político

Por Raquel Carneiro Atualizado em 10 dez 2021, 11h10 - Publicado em 10 dez 2021, 06h00

Pelas ruas de Nova York, uma gangue de garotos mal-encarados transita delimitando sua área de atuação. Por perto, outro grupo igualmente mal-encarado também tenta impor seu domínio. A demonstração de poder, com brigas e vandalismo, ocorre não por meio de murros e sangue, mas sim por elaborados passos de balé. O inusitado retrato da belicosidade masculina embalado com o gracioso estilo de dança é um dos vários pioneirismos de Amor, Sublime Amor, clássico musical da Broadway dos anos 50, com canções de Stephen Sondheim e Leonard Bernstein, e coreografia de Jerome Robbins, vertido em filme em 1961. Aclamado como um dos grandes musicais da história, a produção era tida como irretocável e atemporal. Logo, o anúncio de que Steven Spielberg faria um remake foi tratado como um capricho temerário — o que, claro, se revelou um receio sem fundamentos. Pois o resultado é o belíssimo Amor, Sublime Amor (Estados Unidos, 2021, já em cartaz), uma versão nova, mas fiel ao clássico, com camadas extras adicionadas aos personagens e uma bem-vinda injeção de energia. Para isso, Spielberg não inventou a roda: a trama e as letras das músicas são as mesmas, assim como a ambientação na década de 50. Mas sua leitura é a de um manifesto político disfarçado de romance — e assustadoramente adequado para o século XXI.

Amor, Sublime Amor

A trama inspirada na tragédia shakespeariana Romeu e Julieta segue Tony e Maria, vividos pelos adoráveis Ansel Elgort e Rachel Zegler (leia a entrevista), dois jovens apaixonados em lados opostos da guerra entre os Jets, gangue formada por descendentes de irlandeses, e os Sharks, de imigrantes porto-riquenhos. O casal divide o protagonismo com os líderes das gangues, Riff (Mike Faist) e Bernardo (David Alvarez), além de Anita (Ariana DeBose), namorada de Bernardo — todos impecáveis.

West Side Story: 50th Anniversary Edition Box Set

Mesmo embalado para uma nova geração, o remake claramente busca atiçar a memória dos fãs. As comparações são inevitáveis e legítimas. É o caso do encontro de Maria e Tony, que cruzam olhares num acalorado baile na quadra de uma escola. No filme de 1961, os demais atores são borrados por efeitos deveras datados, enquanto o casal se beija ali, como se ninguém estivesse olhando. Agora, hipnotizados um pelo outro e cientes da celeuma que podem causar, eles caminham até a parte de trás da arquibancada, onde fazem um jogo de sedução inocente, mas cativante. “Você não é de Porto Rico”, diz ela. “Isso é um problema?”, questiona ele.

Continua após a publicidade

Você Conhece Steven Spielberg?

Celebrado por abrir espaço para atores estrangeiros, entre eles a incontornável Rita Moreno — que, no papel de Anita, conquistou o primeiro Oscar para uma atriz latina —, Amor, Sublime Amor carrega consigo sua cota de preconceito. Rita era a única porto-riquenha no elenco formado por americanos de maquiagem marrom carregadíssima. Aos quase 90, ela volta na nova versão como Valentina, esposa do farmacêutico Doc, que abriga Tony e tenta ajudá-lo a viver seu grande amor.

Spielberg mostrou mais respeito pela diversidade, como prega o filme. Para além de eleger um elenco com latinos, ele abraçou o uso do espanhol acima do inglês de sotaque macarrônico. Também deu mais voz às mulheres e ao rapaz trans, já presente no primeiro filme. Alguns musicais foram reinterpretados, mesmo sem alterações nas letras. Cool, número que exaltava a briga entre as gangues, se tornou um protesto contra o uso de armas em uma coreografia de tirar o fôlego entre Riff e Tony. Detalhes assim fazem toda a diferença.

Publicado em VEJA de 15 de dezembro de 2021, edição nº 2768

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Amor, Sublime Amor
Amor, Sublime Amor
West Side Story: 50th Anniversary Edition Box Set
West Side Story: 50th Anniversary Edition Box Set
Você Conhece Steven Spielberg?
Você Conhece Steven Spielberg?

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)