Clique e assine a partir de 8,90/mês

Alicia Keys segura o público com carisma e Maria Gadú

Cantora brasileira do hit-chiclete ‘Shimbalaiê’ fez participação na música ‘Fallin'’

Por Yuri de Castro - 16 set 2013, 00h31

Alicia Keys tem 14 Grammys. Três a menos que Beyoncé, oito a mais do que Justin Timberlake – outras duas atrações da quinta edição do Rock In Rio. O que isso pode dizer? Que se, por um lado, o show de Alicia não é algo incrível, por outro, por outro sobra habilidade no palco. A cantora conduz a plateia mesmo em músicas pouco conhecidas do grande público.

Alicia Keys diz que apresentação no Brasil era ‘sonho’

Alicia Keys abre o ‘puxadinho’ do Rock in Rio em São Paulo

Além disso, elementos como a entrada de dançarinos em alguns números do show, backing vocals capazes de segurar a onda durante uma pausa da estrela e até a participação especial de Maria Gadú (em Fallin’) fizeram do show de Alicia no Rock in Rio, se não o melhor do festival, o que certamente não é, ao menos uma apresentação de respeito.

DIA A DIA: Conheça as atrações do Rock in Rio 2013

ENQUETE: Qual show você mais gostaria de ver no Rock in Rio?

Qual foi o pior show do 1º fim de semana do Rock in Rio?

Qual foi o melhor show do 1º fim de semana do Rock in Rio?

O público reagiu à altura – com receptividade. Até por conta da proximidade de estilo entre Alicia e a atração que a sucederia, Justin Timberlake, último show da terceira noite do evento.

Continua após a publicidade

Ivan Lins e George Benson, o primeiro grande encontro do Rock in Rio

No 3º dia de Rock in Rio, artistas convocam jovens às ruas

É claro que, com mais de uma década de carreira no R&B, a cantora jamais cometeria os equívocos de Jessie J na apresentação que a antecedeu no Palco Mundo. De You Don’t Know My Name (de 2003) a Girl on Fire (de 2013), Alicia tem repertório e performance para não fazer feio.

Rock in Rio 2013: ‘É a área VIP menos VIP da história’

Preta Gil luta contra quitutes da área VIP do Rock in Rio

Seja no piano ou com os pés em cima dele, seja dançando com os bailarinos ou até encaixando o Rio de Janeiro (que chamou “linda”) como selva de pedra na letra de Empire State of Mind, feita para Nova York, a cantora equilibrou um repertório que poderia ser morno, mas, graças ao seu carisma e à sua experiência de palco – e de música pop – agradou em cheio.

Continua após a publicidade
Publicidade