Clique e assine a partir de 8,90/mês

Aerosmith supera briga com baterista e brilha no Grammy

Baterista processou - e perdeu - ação contra o grupo, que contemplou a plateia com seus hits. Teve até participação inusitada da cantora Lizzo

Por Sérgio Martins - 27 jan 2020, 00h05

A performance do Aerosmith no Grammy foi precedida por uma confusão besta. O grupo exigiu que Joey Kramer, baterista da formação original, fizesse um teste para mostrar que tinha condições de tocar com eles na premiação -o músico vinha de um pequeno problema de saúde. Kramer não gostou: entrou na Justiça para garantir o direito de tocar mais uma vez com o Aerosmith e tentou invadir os ensaios com uma emissora de TV. Mas sua ação contra a banda foi considerada improcedente.

Alheio à confusão de seu ex-integrante, o grupo de hard rock fez uma das apresentações mais vibrantes da premiação. O (hoje) quarteto tocou Livin’ on the Edge e Walk this Way. Essa última contou com a participação do Run-DMC, que tinha regravado a canção em 1986. Dois momentos que certamente entrarão para o folclore do Grammy. O vocalista Steven Tyler soltando um “eu te amo” para Lizzo, que chacoalhou ao som da banda, e o DJ do Run-DMC, que mostrou ao público a camisa 24 do Lakers, que era do jogador de basquete Kobe Bryant.

Publicidade