Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Taça cheia: os espumantes disparam na preferência dos brasileiros

Impulsionado pelos rótulos nacionais, o consumo da bebida supera o de vinhos finos

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 12h27 - Publicado em 21 ago 2022, 08h00

Na recente história de sucesso do mercado brasileiro de vinhos, o ano de 2021, em plena pandemia, será tratado como ponto de inflexão, o início de uma nova era. Pela primeira vez, os consumidores preferiram rótulos de melhor qualidade: foram comprados 217 milhões de litros de produtos finos, de uvas europeias, ante 205 milhões de litros de garrafas de mesa, majoritariamente de cepas americanas. Outro ineditismo, agora revelado: a expansão dos espumantes entre os exemplares de qualidade. Foram 40,4 milhões de garrafas de borbulhantes, mais do que os 36 milhões dos chamados vinhos “tranquilos”, sem gás. Diante desse cenário, o Brasil torna-se simultaneamente um respeitável produtor e também admirador dessa família de bebida.

Trata-se de um processo que ganha força há quase vinte anos, desde que as vinícolas nacionais perceberam o potencial que as uvas tradicionais usadas na fabricação dos espumantes, a pinot noir e a chardonnay, demonstraram em nosso solo, especialmente no Sul do país. Em 2021, 303 das 414 medalhas obtidas por vinhos brasileiros foram para espumantes. Um deles, o 130 Blanc de Blanc, da Casa Valduga, de Bento Gonçalves (RS), venceu um dos mais importantes concursos: o Vinalies Internationales, em Paris. Houve empolgação no país com a láurea inédita, e muitos ousaram acreditar que fora eleito “o melhor do mundo”.

TRADIÇÃO - Vinhedo da Casa Valduga, em Bento Gonçalves: a região produz marcas premiadas -
TRADIÇÃO - Vinhedo da Casa Valduga, em Bento Gonçalves: a região produz marcas premiadas – (Casa Valduga/Divulgação)

Hoje, há uma enorme variedade de estilos à disposição. O espumante — que pode ser feito com esse nome em qualquer lugar do mundo, e não tem a exclusividade territorial do champanhe francês — é um vinho de dupla fermentação natural. Esmagam-se as uvas na primeira etapa para seu mosto se transformar em bebida alcoólica. A segunda forma o gás carbônico, ou melhor, as borbulhas. Existem dois métodos principais para a segunda fermentação. No Charmat, ela ocorre em grandes tanques de inox, chamados de autoclaves. No Champenoise, conhecido como tradicional ou clássico, a segunda fermentação acontece na garrafa. Há também o método Asti, que no Brasil é usado na fabricação de moscatel, que se diferencia dos anteriores porque a segunda fermentação não é feita com o vinho pronto, mas com o mosto guardado da primeira etapa. Os três métodos são aplicados aqui, embora predomine o Charmat. Tais processos proporcionam, evidentemente, bebidas diferentes. Conforme o nível de açúcar, os espumantes Charmat e Champenoise podem ser classificados como nature, extra-­brut, brut, seco, meio seco e doce.

arte espumantes

Continua após a publicidade

Tamanha diversidade, associada à qualidade, é atalho para a conquista de novos espaços, em uma clara mudança de comportamento. “Deixou de ser algo para celebrar um aniversário ou estourar no réveillon e virou bebida do dia a dia, para tomar em um churrasco, em um jantar, ou deixar na porta da geladeira como aperitivo”, diz o sommelier Tiago Locatelli, da importadora Decanter. Acrescente-se o preço: é possível encontrar boas opções nacionais por apenas 50 reais, enquanto os rótulos importados mais atrativos, como o clássico Freixenet espanhol, o prosecco e o lambrusco italianos, custam pelo menos o dobro.

Lembre-se, contudo, que nomes míticos como Veuve Clicquot, Moët & Chandon e Taittinger mantém seu apelo, apesar de poder alcançar 400 reais por garrafa. E então, para quem não abandona o que vem de fora e adora as pérolas de um espumante, a onda são os chamados Champagne de Vigneron, de pequenos produtores franceses. “Há entre eles uma liberdade maior de técnicas e de uso de uvas variadas”, diz Alaor Lino, da importadora Anima Vinum. Seja buscando o desconhecido, seja procurando o melhor custo-benefício, lá fora ou nas terras de cá, o brasileiro tem erguido brindes com taças mais alongadas. É uma saborosa novidade.

Publicado em VEJA de 24 de agosto de 2022, edição nº 2803

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.