Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Soltos e estilosos, os ternos incorporam as novas tendências de moda

Clássicos do vestuário masculino surgem revisitados, em misturas modernas de alfaiataria e streetwear

Por Simone Blanes Atualizado em 18 mar 2022, 15h19 - Publicado em 20 mar 2022, 08h00
PASSADO E FUTURO - Louis Vuitton: o marrom é um clássico neste tipo de vestimenta, mas o modelo tem ombros amplos e estruturados, as mangas, longas, enquanto as calças aparecem mais largas do que as usadas hoje -
PASSADO E FUTURO – Louis Vuitton: o marrom é um clássico neste tipo de vestimenta, mas o modelo tem ombros amplos e estruturados, as mangas, longas, enquanto as calças aparecem mais largas do que as usadas hoje – Louis Vuitton/.

Em meio à pandemia de Covid-19, surgiram projeções que, se concretizadas, mudariam radicalmente a forma de vestir das pessoas. É claro que a crise sanitária modificou muita coisa, como a priorização do conforto, mas não teve o poder de provocar revoluções tão drásticas. Estão longe de desaparecer alguns códigos que parecem imutáveis. É o que está se vendo com os ternos, tradicionais peças do guarda-roupa de todo homem que, ao contrário do que se chegou a dizer, não sairão do mapa. “É uma roupa que dificilmente cairá em desuso”, diz o estilista Ricardo Almeida, reconhecido como um dos mestres da alfaiataria masculina nacional. “Ainda é sinônimo de poder.” Os números demonstram o permanente sucesso. Só nas duas primeiras semanas deste mês, a grife de Almeida registrou um aumento de 120% nas vendas de ternos para casamento e de 45% em costumes e blazers. No mundo, a comercialização do traje deve alcançar uma receita de 705 bilhões de dólares até 2026, segundo relatório do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). O Brasil ocupa a oitava posição entre os países com as maiores receitas geradas pelo vestuário.

NA ONDA SEM GÊNERO - JordanLuca: a vanguardista grife inglesa investe em criações com saias estilo kilt, sobreposições que lembram o antigo jaquetão e tecidos que podem ser pesados, como a lã, porém em versões bem coloridas e iluminadas -
NA ONDA SEM GÊNERO – JordanLuca: a vanguardista grife inglesa investe em criações com saias estilo kilt, sobreposições que lembram o antigo jaquetão e tecidos que podem ser pesados, como a lã, porém em versões bem coloridas e iluminadas – Jordan Luca/.

Com a retomada das atividades, a combinação calça-paletó foi o destaque nos desfiles masculinos internacionais. Porém, reapareceu de um jeito totalmente revisitado, com silhuetas redefinidas por cortes, proporções e texturas diferentes. O casaco e as mangas estão mais longos e os ombros surgem largos, assumindo construções arredondadas ou desestruturadas. Os tecidos vão da seda ao veludo, do tweed ao jeans, da lã ao couro. O que se viu nas passarelas foi a mistura entre a clássica alfaiataria e o conforto streetwear, do jeito como antevia Virgil Abloh, o aclamado estilista da Louis Vuitton que morreu em novembro do ano passado. Os ternos de inverno da grife, por exemplo, têm perfil escultural, ombros volumosos e detalhes utilitários, características que também apareceram nos casacos do desfile masculino da casa italiana Prada. As calças acompanham a tendência. Há modelagens que lembram as baggys — cinturas altas e marcadas e pernas largas — e a clochard, de cintura alta e pernas soltas, porém afuniladas. A Dior, inclusive, surpreendeu ao apresentar peças em estilo jogging, com direito até a elástico na cintura, que confere um resultado elegante, confortável e urbano. “É uma mistura inteligente”, sintetiza o consultor, professor e estilista de moda masculina Mário Queiroz.

TRAÇO CONTEMPORÂNEO - Fendi: o corte impecável e as tonalidades sóbrias permanecem como marcas da casa de alta-costura italiana, porém as peças acompanham a nova bossa ao apresentar combinações com um pouco mais de largura -
TRAÇO CONTEMPORÂNEO – Fendi: o corte impecável e as tonalidades sóbrias permanecem como marcas da casa de alta-costura italiana, porém as peças acompanham a nova bossa ao apresentar combinações com um pouco mais de largura – ittorio Zunino Celotto/Getty Images

As marcas propõem aos homens trocar a sisudez tradicional dos ternos pela versatilidade que o ambiente contemporâneo exige. Isso inclui a oferta de opções saídas da cada vez mais evidente moda sem gênero. Uma das criações mostradas na passarela pela talentosa e vanguardista grife londrina JordanLuca combinou saia estilo kilt com casaco de lã amarelo trespassado. O modelo indica ainda mais uma direção: os ternos coloridos. “As cores aparecem como manifestação de esperança e entusiasmo em tempos tão sombrios”, pontua Queiroz. Isso quer dizer que o homem não está mais preso ao cáqui, marinho e preto de sempre. Contudo, se quiser permanecer mais próximo dos cortes e cores clássicos sem se distanciar dos ventos renovadores, é possível. A italiana Fendi apresentou casacos longos, em sintonia com a estação, em cortes impecáveis, tons sóbrios e elementos tradicionais como estampas xadrez Vichy, de origem inglesa, e padrões pied de poule, típicos dos anos 1920, ambos sofisticadamente convencionais.

PEGADA ESPORTIVA - Dior: arranjos inteligentes que obedecem à harmonia entre paletós e calças confortáveis estilo jogging, inclusive com elástico na cintura, em resposta ao desejo do consumidor de opções associadas ao bem-estar -
PEGADA ESPORTIVA – Dior: arranjos inteligentes que obedecem à harmonia entre paletós e calças confortáveis estilo jogging, inclusive com elástico na cintura, em resposta ao desejo do consumidor de opções associadas ao bem-estar – Yannis Vlamos/.

Ternos são associados à maturidade e emprestam a aura de autoridade aos homens — e às mulheres desde que a atriz alemã Marlene Dietrich os tomou emprestados, nos anos 1920 e 1930, e que a estilista francesa Coco Chanel tratou de popularizar com sua versão feminina. Ou seja, mesmo apresentados em opções mais ou menos fashion, eles continuam sendo feitos para impressionar, só que agora com mais conforto.

Publicado em VEJA de 23 de março de 2022, edição nº 2781

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)