Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Médicos de almas: os estoicos voltam a cair no gosto popular

Com a pandemia de Covid-19, suas lições valiosas sobre uma vida mais simples e disciplinada ganham fôlego

Por Alessandro Giannini Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
11 mar 2023, 08h00

Fundado no século III a.C. por um grupo de filósofos gregos, o estoicismo preconiza que, por meio de uma vida simples e disciplinada, seria possível alcançar a paz interior e a felicidade. Eles também acreditavam que podemos nos tornar pessoas melhores se aceitarmos sem lamentos e com coragem o que o destino nos reserva. Os ensinamentos remontam a Zenão de Cítio, um cipriota de posses que se encantou com a filosofia quando chegou a Atenas por volta de 300 a.C. O filho de comerciantes iniciou uma escola sob o “pórtico pintado” da cidade — “stoa poikile”, em grego, de onde vem o nome da corrente. O resto é história. Cleantes e Crisipo, seus sucessores, se encarregaram de difundir as lições e princípios, que tiveram influência duradoura no pensamento moderno e, vez por outra, encenam o que parece ser uma volta ao gosto popular.

“Sofremos mais na imaginação do que na realidade.”

Sêneca, preceptor de Nero e considerado um mestre da retórica

Os estoicos, a rigor, nunca saíram de cena. Na segunda metade do século XX, trabalhos sobre filosofia helenística do francês Michel Foucault e do britânico Anthony Long inspiraram pesquisadores contemporâneos, que passaram a publicar livros acadêmicos. Bebiam também de nomes seminais da Roma Antiga, como Sêneca, Epíteto e o imperador romano Marco Aurélio. Mais recentemente, o estoicismo ultrapassou os limites da academia e passou a interessar um público mais amplo. “Há um renascimento do estoicismo por motivações diversas”, disse a VEJA Aldo Dinucci, professor da Universidade Federal de Sergipe e autoridade nesse campo.

MARCO AURÉLIO, notável imperador que sucedeu a Adriano -
MARCO AURÉLIO (Nicodape/Getty Images)

No período helenístico e romano, como notou o historiador e filólogo francês Pierre Hadot, a filosofia combinava teoria e prática. Havia escolas pelas quais os novatos optavam e, a partir dos estudos filosóficos, buscavam se transformar internamente por meio da reflexão sobre suas próprias crenças, tendo como objetivo a conquista da eudaimonia, termo grego que costuma ser traduzido um tanto imprecisamente por felicidade. “Ora, a felicidade é algo que se busca tanto na Antiguidade como nos dias de hoje, e os textos dos estoicos tratam muito disso”, diz Dinucci. “Não é de admi­rar que as reflexões dos antigos estoicos nos importem.”

“Faça cada ato de sua vida como se fosse o último.”

Marco Aurélio, notável imperador que sucedeu a Adriano
Continua após a publicidade

O “revival” pode ser atribuído a dois momentos decisivos do início do século XXI, ambos com repercussões globais. O primeiro foi a crise financeira de 2008, impulsionada pela quebra do banco de investimentos Lehman Brothers, nos Estados Unidos. O outro, a pandemia de Covid-19, que cobrou a vida de quase 7 milhões de pessoas no planeta, 700 000 delas só no Brasil — em número que continua a crescer, ainda que mais lentamente. Nos dois casos, a humanidade teve de aceitar um fato cabal: certas situações fogem de nosso controle, e só nos resta refletir em torno delas. Ao mesmo tempo, foi necessário reconhecer que, como indivíduos, não temos o poder de consertar tudo. “Há muitos conselhos nos autores estoicos sobre como lidar com as adversidades”, disse a VEJA John Sellars, professor de filosofia na Universidade de Londres (leia abaixo), autor do ótimo Lições de Estoicismo (Sextante).

EPÍTETO, cujos escritos foram registrados por um aluno -
EPÍTETO (Boston Public Library/.)

Prova de que o estoicismo voltou ao gosto popular está na quantidade de livros sobre a escola de Zenão que estão ocupando lugares de destaque nas livrarias. O americano Ryan Holiday é autor — com Stephen Hanselman — de Diário Estoico, que traz pensamentos dos principais filósofos para cada dia do ano, e acaba de lançar O Chamado da Coragem, ambos pela Intrínseca. A editora Somos Livros tem O Pequeno Manual Estoico, de Jonas Salzgeber, e Ser Estoico: Eterno Aprendiz, de Ward Farnsworth, entre seus títulos mais vendidos.

“As circunstâncias não fazem o homem, apenas o revelam a si mesmo.”

Epíteto, cujos escritos foram registrados por um aluno

Todos eles são como pontes para a leitura dos textos originais — e não há por que temê-los, em traduções muito boas para o português. Os estoicos de Roma, segundo os especialistas, são os melhores para serem lidos como ponto de partida. O mais prolífico foi Sêneca, considerado um mestre da retórica. O Manual de Epicteto, que o professor Aldo Dinucci traduziu do grego, foi escrito por Flávio Arriano, um aluno que sintetizou o pensamento do mestre por meio de aforismos. Por sua vez, o imperador Marco Aurélio deixou grande quantidade de anotações em cadernos pessoais, quase como se fossem diários, refletindo sobre sua vida e rotina como comandante militar. É um legado que provou ser eficiente nos momentos mais dramáticos da história — e que hoje, na ágora infinita e desordenada das redes sociais, merece atenção.

Continua após a publicidade

Terapia para a mente
Professor de filosofia da Universidade de Londres e autor do ótimo Lições de Estoicismo, John Sellars fala sobre a retomada da corrente.

LIÇÕES - Sellars: nova perspectiva
LIÇÕES – Sellars: nova perspectiva (Reprodução/Facebook)

Existe mesmo um renascimento do estoicismo? Há dez ou quinze anos, começou a haver muito interesse pelos estoicos entre a população em geral em razão de eventos que mexeram com o mundo. Acho que os escritos de Marco Aurélio sempre venderam bem, mas o leque de busca por outros autores se ampliou. Começamos a ver até vários grupos ao redor do mundo que se formaram, inclusive no Brasil.

Há até uma convenção, a Stoicon, certo? Sim. A primeira foi em Londres, em 2013. Depois de três anos na Inglaterra, trouxemos pessoas dos EUA para o grupo, que é chamado de Modern Stoicism (Estoicismo Moderno).

Como o estoicismo influenciou a sua vida pessoal? Há uma ênfase em colocar preocupações cotidianas em um contexto mais amplo, o que acho muito útil. Tentamos ir além de nossa visão estreita de mundo e ver as coisas de uma perspectiva mais objetiva. Refletir sobre o que podemos controlar e o que não podemos controlar também ajuda.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 15 de março de 2023, edição nº 2832

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.