Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Abertura de empresas por menores de 18 anos dispara em 2022

Fenômeno indica tanto o interesse pelo empreendedorismo como a necessidade de inserção no mercado de trabalho

Por André Sollitto Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
6 nov 2022, 08h00

Steve Jobs tinha 21 anos quando fundou a Apple ao lado de seu eterno parceiro Steve Wozniak, este um “veterano” de 26 anos com boa experiência no mundo da eletrônica. Bill Gates gestou a Microsoft na garagem de casa quando mal havia chegado aos 20. Com 22, seu sócio, Paul Allen, era só um pouco mais velho (leia mais na pág. 70). Mark Zuckerberg é outro gênio corporativo precoce: o Facebook começou a nascer quando ele completara apenas e tão somente 19. A história ensina, portanto, que a juventude é um ingrediente poderoso para o empreendedorismo. No Brasil, um fenômeno recente mostra que os jovens desejam cada vez mais trilhar o próprio caminho. De acordo com levantamento da plataforma de análise de dados Datahub, o número de microempresas individuais (MEIs) que pertencem a pessoas com menos de 18 anos disparou 227% no primeiro semestre de 2022, em relação ao mesmo período do ano passado. Ou seja: os muito jovens nunca tiveram tanta disposição para abrir um negócio e seguir a rota do mundo empresarial.

DESEMPREGO - Em busca de vagas: o mercado formal não absorve todos -
DESEMPREGO - Em busca de vagas: o mercado formal não absorve todos – (Willian Moreira/Futura Press)

Em geral, eles se motivam pelas vantagens oferecidas pela nova era da digitalização — que permite, por exemplo, abrir uma loja on-line na sala de casa — para se aventurar como empresários, muitas vezes antes mesmo de ter alguma vivência no mercado de trabalho formal. A pandemia, sempre ela, teve papel importante na aceleração do movimento. “Ela trouxe uma mudança na geografia dos pequenos empresários e proporcionou que novas atividades surgissem no mercado brasileiro”, afirma André Leão, diretor de produtos da Datahub.

Houve aumento expressivo do número de microempresas individuais abertas nas regiões Norte e Nordeste, o que mostra que o empreendedorismo se espalha por todo o país. Outro ponto interessante capturado pelo estudo: a categoria de vestuário é uma das que tiveram maior crescimento, indicando justamente a facilidade com que é possível vender roupas pela internet e ter o WhatsApp como plataforma de comercialização.

INSPIRAÇÃO - Jobs (à esq.) e Wozniak, da Apple: empreendedores precoces -
INSPIRAÇÃO - Jobs (à esq.) e Wozniak, da Apple: empreendedores precoces – (Db Apple/DPA/ZUMAPRESS/.)

Embora existam óbvias limitações, como o faturamento máximo de 81 000 reais mensais e a possibilidade de ter apenas um funcionário, o formato MEI pode ser visto como uma porta de entrada decisiva para o empreendedorismo. Por ser seguro e ter custo baixo com impostos, é um modelo eficaz para testar oportunidades de mercado. No momento de escalar o negócio, há uma grande rede de informações disponível no Brasil. “O Sebrae tem participação importantíssima no suporte e na educação empreendedora, indispensável quando a empresa cresce e passa a participar de um mercado mais exigente”, afirma Antonio André Neto, coordenador do MBA de gestão estratégica e econômica de negócios da Fundação Getulio Vargas (FGV).

arte Empreendedores

É preciso pontuar, contudo, que o cenário nem sempre é de pujança. Algumas vezes, o que move o empreendedor é mesmo a necessidade de sobrevivência. “O mercado não está absorvendo jovens da forma tradicional, com registros CLT”, afirma André Leão. Em outras palavras: na falta de oportunidades, eles partem para o que der e vier, e abrir uma empresa pode ser o melhor — e talvez único — caminho para ter alguma fonte de renda, para escapar da pobreza. Nessa balança, deve-se apontar um fator primordial para atrair futuros empresários: a glamorização do empreendedorismo, movida principalmente pela expectativa dos jovens em fundar empresas revolucionárias quando ainda estiverem na flor da idade — e, quem sabe, se tornarem novos Jobs, Gates e Zuckerbergs.

Publicado em VEJA de 9 de novembro de 2022, edição nº 2814

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.