Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

A reinvenção dos anjos: como a Victoria’s Secret renasceu

Sem se adaptar aos novos tempos, a grife parecia condenada à irrelevância, mas ganhou fôlego com mudanças no portfólio e na estratégia de negócios

Por Sabrina Brito Atualizado em 13 Maio 2022, 17h00 - Publicado em 15 Maio 2022, 08h00

Os clientes que visitam as novas lojas da grife californiana Victoria’s Secret saem de lá quase sempre surpresos. As paredes e tetos escuros, a iluminação baixa e o destaque para as peças provocantes de lingerie que tornaram a marca sinônimo de moda íntima deram lugar a tons pastel, espelhos enormes e manequins plus size. Além de sutiãs e calcinhas, itens que fizeram a fama da empresa, são oferecidas agora roupas para ocasiões variadas e uma seleção de peças de gênero neutro, e há uma aposta maior nos produtos de beleza e perfumes. A radical mudança faz parte da estratégia de reinvenção da companhia e pode ser compreendida como uma tentativa desesperada para salvá-la do caminho da irrelevância. “Tínhamos de parar de agir em razão do que os homens queriam e começar a pensar no que as mulheres desejam”, justificou o diretor-executivo Martin Waters.

ASAS - A brasileira Alessandra Ambrosio: uma de suas famosas “angels” -
ASAS - A brasileira Alessandra Ambrosio: uma de suas famosas “angels” – Sherwin/EFE

Depois de construir a sua reputação com desfiles de modelos famosas — os anjos inconfundíveis e de forte apelo sexual —, a grife acabaria inevitavelmente desconectada dos novos tempos. De certa forma, as modelos sempre magras, brancas, altas e de cabelo liso entraram em choque com os conceitos atuais de beleza, muito mais inclusivos. Assim, aos poucos, a empresa ficou em descompasso com aquilo que as gerações recentes almejam na hora de comprar: uma marca em que se vejam espelhadas. A pressão foi tanta que, em 2020, o ramo britânico da Victoria’s Secret declarou o pedido de proteção contra credores, passo anterior à falência. No mesmo ano, a marca fechou 250 lojas. Pouco antes, Ed Razer, diretor de marketing da grife, havia dito que a companhia não lançaria roupas plus size, em uma clara resistência para se tornar uma marca com a qual mais pessoas pudessem se identificar. Em resposta à declaração, a empresa passou a ser alvo de rumorosos protestos feitos diante de suas lojas. Para piorar, o executivo foi acusado de misoginia e assédio. “Enquanto isso, alguns competidores da Victoria’s Secret aproveitaram o timing para investir em produtos de maior diversidade, exatamente o que fez a Fenty, marca da Rihanna”, diz Márcio Ito, consultor de moda da Faculdade Santa Marcelina.

Quando a crise chegou às finanças da companhia, ficou mais do que evidente que era hora de mudar. Muitas de suas modelos tradicionais foram substituídas por mulheres mais “reais” e comuns. Além disso, a Victoria’s Secret acrescentou ao catálogo nomes associados à diversidade, como ativistas, empreendedoras e atletas LGBTQIA+. Foi uma primeira tentativa de reinventar a marca, atualizando-a. O passo mais recente na trajetória de recuperação foi dado com o anúncio, no último dia 29 de abril, de uma parceria com a Amazon para vender sua linha de artigos de beleza. O primeiro grande acordo do tipo feito pela Victoria’s Secret prevê que cerca de 120 produtos estejam disponíveis no varejista digital, incluindo loções, sabonetes e fragrâncias da marca. De acordo com Greg Unis, CEO do Negócio de Beleza da empresa, a intenção é, no longo prazo, adicionar outros itens, como sutiãs e calcinhas, à plataforma. “Estamos expandindo nosso universo de consumidores”, afirmou Unis. A estratégia vem dando certo. A divisão de produtos de beleza, antes irrelevante, agora é responsável por 15% do faturamento.

QUEDA - Manifestação nos EUA: ativistas protestam contra a falta de diversidade -
QUEDA - Manifestação nos EUA: ativistas protestam contra a falta de diversidade – Spencer Platt/Getty Images

Nunca é fácil para grandes marcas mudar o foco de seus negócios, mas a história corporativa está repleta de exemplos marcantes. A Apple alçou voo e se tornou a marca mais valiosa do mundo apenas ao desbravar novos nichos de mercado. Com a chegada do primeiro iPhone, em 2007, passou a se dedicar mais aos aparelhos móveis em vez de focar apenas em computadores, e com isso passou a ser a principal referência em tecnologia para diversas gerações de consumidores — algo que se mantém até os dias atuais. A japonesa Nintendo, criada em 1889 como fabricante de cartas de jogos, se tornou o gigante dos games quando o bisneto do fundador Fusajiro Yamauchi assumiu o comando da empresa e olhou para os jogos eletrônicos. Como se vê, o segredo para a vida longa é ficar atento às transformações da sociedade. Para a Victoria’s Secret, há um fator ainda mais decisivo: anjos, afinal, nunca morrem.

Publicado em VEJA de 18 de maio de 2022, edição nº 2789

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)