Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Walcyr Carrasco

Por Walcyr Carrasco Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Continua após publicidade

Assassinato digital

A dura — e implacável — lógica de cancelar pessoas na internet

Por Walcyr Carrasco Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 7 jul 2024, 08h00

Ao contrário de tempos passados, quando sumir com alguém exigia certo grau de dificuldade e até risco criminal, hoje tornou-se facílimo dar fim a uma pessoa. Bastam um dedo e algumas teclas. É possível mudar completamente o círculo de amizades, sumir da turma, buscar novos ares, sem grandes enfrentamentos. Um amigo estava falando de sua ex: “Bloqueei”. Explicou que bloqueou em tudo: no WhatsApp, no Instagram, no Face. Em qualquer outra rede social, uma pessoa existe ou não existe. Se é bloqueada em todos os canais em que pode se comunicar com a outra, tecnicamente não existe mais. A gente só sabe que conhece, mas ela pode cair em um nicho de internet e desaparecer de vez. Simplesmente deixa de estar presente. Mesmo porque, na atualidade, a presença é mais digital que física em um número imenso de casos.

Houve um tempo em que eu me admi­ra­va ao dar uma “limpa” no celular. Por que tanta gente, com quem nunca converso, tantos endereços que já não fazem parte do meu dia a dia? Para meu susto, recebi reclamações: “Por que você me deletou?”, “Me bloqueou?”. Na prática, respondia: “Porque a gente não se falava mais”. Descobri que estar na minha rede mesmo sem papo era um modo de afirmar a existência da pessoa em minha vida. Portanto, ofensivo ser excluído. Parecia sem sentido. Mas entendi. Se a pessoa for deletada ou, pior, bloqueada, simplesmente deixa de existir. A comparação é forte, mas inevitável: morre.

“Deletar alguém nas redes sociais equivale a dizer adeus. E dizer adeus é sempre uma forma de luto”

Só observo as pessoas com quem tenho relacionamento real. Mas são muitas as que conferem, e sabem exatamente quando e se saí de suas redes. “Por quê?”, perguntam. Tento ser gentil e explicar que a gente não se falava mais. São palavras mal recebidas. Parece que estar na rede de mais e mais pessoas conta socialmente. Não estou falando de influencers, mas de pessoas que querem entrelaçar suas histórias com as minhas, existir no meu universo. Sem falar naquelas que um dia conheci rapidamente, mas sem nenhuma interação. Fica difícil explicar por que bloqueei alguém: se já nem conversava, era apenas um nome na minha lista. Fica difícil também entender por que alguém faz questão de estar presente em listagens de pessoas que nem respondem. Mas excluir ou bloquear alguém corresponde a uma morte, mesmo que eu jamais fale com a pessoa. Recebo inúmeras reclamações: “Por que me excluiu?”.

Continua após a publicidade

Simbolicamente, excluir alguém de uma rede social ou de um aplicativo de bate-papo equivale a um assassinato. Não que eu me sinta assim, não quero matar ninguém. Estou falando da reação das pessoas excluídas. A pessoa sai não só de minhas redes sociais, mas de minha vida. Deixa de me acompanhar, mesmo digitalmente, e não existe mais para mim, também digitalmente.

Eu ainda acredito nas relações de carne e osso, nos abraços, nos encontros longos e profundos. Mas descubro que os relacionamentos digitais tomaram um espaço impressionante. Deletar equivale a dizer adeus. E dizer adeus é sempre uma forma de luto.

Publicado em VEJA de 5 de julho de 2024, edição nº 2900

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.