Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

VEJA Gente

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

Sobrinho de socialite carioca levanta suspeita na morte da mãe

Segundo ele, Regina Lemos Gonçalves teria acobertado morte de Therezinha Lemos Yamada; assista ao relato de Marcelo Yamada a VEJA

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 15h05 - Publicado em 6 Maio 2024, 09h45

Está longe do fim a “novela” que virou o caso da socialite Regina Gonçalves, 88 anos, moradora do edifício Chopin, no Rio, e seu motorista, José Marcos Ribeiro, com quem passou a ter união estável. Amigos e parentes alegam que ela teria sido vítima de golpe de José Marcos, que a mantinha em cárcere privado. O programa semanal da coluna GENTE conversou com o sobrinho de Regina, o produtor de audiovisual Marcelo Yamada, de 60 anos, filho de Therezinha Lemos Yamada, falecida em 21 de maio de 2016. Marcelo faz duras acusações contra a tia Regina e José Marcos. Segundo seu relato construído a partir de depoimentos de ex-funcionários, sua mãe Therezinha, que morava com a irmã, pode ter sido vítima de um homicídio.

 

“A denúncia que veio dos empregados, que chegou para mim e para o meu irmão, é que José Marcos teria empurrado minha mãe da escada, e ela teria quebrado ou machucado o braço, e que ele teria deixado ela no jardim durante a noite inteira, sem telefone, sem alimentação, sem água, sem nada, como um castigo para ela. (…) Ela (Regina) compactuou com o Marcos, esses dois estavam fazendo o que queriam. (…) Ele fez toda sorte de maldades com ela, e ela até então compactuava com ele, até ele se virar contra ela”.

Continua após a publicidade

Conforme a coluna já havia antecipado, o ex-motorista foi denunciado há seis anos e meio por ameaças de morte a ex-funcionários e vizinhos de Regina – incluindo também agressões físicas na irmã da socialite. Procurado, José Marcos não retornou as mensagens. Therezinha faleceu após dar entrada numa UPA em Copacabana. Na certidão de óbito, consta que a causa da morte foi “falência de múltiplos órgãos e sistemas, choque séptico pulmonar e hipertensão arterial sistêmica”.

Marcelo também traz à tona um episódio ocorrido em 1969 e bastante noticiado à época pela imprensa, quando Regina ainda era noiva de Nestor Gonçalves. Após uma tentativa de assalto, Regina atirou e matou um homem que invadiu a casa deles em São Conrado. Assista ao relato exclusivo de Marcelo Yamada.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.