Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Por que nenhum presidente de escola de samba foi se encontrar com Lula

Quem proibiu que os dirigentes se reunissem com ex-presidente nesta quarta-feira, 6, no Rio

Por Valmir Moratelli Atualizado em 7 jul 2022, 09h34 - Publicado em 6 jul 2022, 22h10

Noca da Portela, o maior compositor de sambas-enredos da Sapucaí, os intérpretes Neguinho da Beija-Flor e Pitty de Menezes, da Imperatriz Leopoldinense, Tia Surica, baluarte da Portela, a sambista Teresa Cristina, o carnavalesco Leandro Vieira, o compositor André Diniz, o pesquisador de carnaval Fabio Fabato… Foi grande a lista de pessoas do mundo do carnaval reunidas no palco da quadra da Unidos da Tijuca, no final de tarde desta quarta-feira, 6, para o encontro com Lula (PT) e Alckmin (PSB). Mas não havia nenhum, absolutamente nenhum presidente das escolas de samba do Rio de Janeiro no evento.

De acordo com fontes do mundo do samba ouvidas pela coluna VEJA Gente, esse desfalque teria partido de um pedido categórico da Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa). Isso porque as escolas dependem diretamente do apoio financeiro da prefeitura e do governo do estado. E é sabido que o governador Claudio Castro (PL) apoia a reeleição de Jair Bolsonaro (PL). Para não haver desgaste antes da hora, foi baixada uma ordem interna para que ninguém desse as caras no “samba” de Lula. Procurado, Jorge Perlingeiro, presidente da Liesa, não se manifestou.

Guardadas as devidas proporções, é inevitável a comparação com a reunião de apoio que o ex-prefeito Marcelo Crivella fez com representantes de todas escolas de samba e de blocos carnavalescos, ainda na campanha de 2016. Na época, ele prometeu manter tudo como estava, ao contrário do então adversário, Marcelo Freixo (ainda no PSOL), que queria mudanças da gestão da Liesa. Eleito, Crivella demonizou o carnaval e cortou verbas públicas. Agora, Lula falou em cadeia produtiva do carnaval, geração de empregos e investimentos na cultura popular e prometeu assistir aos desfiles na Sapucaí, se eleito.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)