Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Gente Por Cleo Guimarães Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

O fim da reclusão de Bebel Gilberto

Com o fim da pandemia surgindo no horizonte, ela prepara sua volta aos shows presenciais e um secretíssimo disco em homenagem ao pai

Por Cleo Guimarães Atualizado em 15 out 2021, 20h11 - Publicado em 18 out 2021, 09h00
Bebel Gilberto -
Bebel Gilberto – Harper Smith/.

Melhor amiga de Cazuza, com quem fazia longas “baratonas” pelos botequins da Zona Sul do Rio bem antes de o termo ser inventado, Bebel Gilberto, 55 anos, andava quietinha após dois baques em sequência — a morte da mãe, Miúcha, em 2018, e do pai, João Gilberto, seis meses depois. Vacinada e com a pandemia arrefecendo, ela prepara o retorno às noitadas — mas agora a trabalho,  em cima do palco.

Dando uma pausa na produção de um secretíssimo disco em homenagem ao pai, Bebel cantará músicas de Cazuza no festival que celebra os quarenta anos do rock nacional no dia 31, no Rio. É certo que vai se emocionar. “No fim da vida, o Caju passava muito tempo concentrado, lendo, compondo. Esta­va querendo aproveitar cada minuto que tinha”, lembra a cantora, hoje pacata moradora do Leblon, onde frequenta livrarias e faz caminhadas à beira-mar.

Publicado em VEJA de 20 de outubro de 2021, edição nº 2760

Continua após a publicidade

Publicidade