Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
VEJA Gente Por Cleo Guimarães Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

A confissão de Adele

Cantora fala sobre processo de gravação do novo álbum, "30", do sofrimento com o divórcio e do medo de fofocas sobre sua vida amorosa

Por Cleo Guimarães Atualizado em 12 nov 2021, 11h44 - Publicado em 11 nov 2021, 17h43
capa da revista rolling stone, com adele
A capa da revista, que traz também um longo ensaio fotográfico Instagram/Reprodução

Não foi fácil para Adele o processo de gravação de seu novo álbum, “30” – e muito menos o divórcio de Simon Konecki, pai do seu filho Angelo, de nove anos. Os dois ficaram juntos de 2011 a 2019 e, em entrevista à revista Rolling Stone, ela contou que decidiu botar um fim na relação ao perceber que não estava mais se reconhecendo depois do casamento: “Eu era outra pessoa. Simplesmente não gostava mais de quem era”, disse.

Adele também contou que a separação foi uma das inspirações para algumas das canções do álbum, músicas de fossa como “I Drink Wine” (“Eu bebo vinho”). Mais sofrimento: o processo de gravação de “30” começava com “sessões de terapia de seis horas” com o seu produtor.

Ela agora namora o agente esportivo Rich Paul, mas diz que morar numa cidade como Los Angeles – cheia de fofoqueiros e interesseiros – dificultou sua vida de solteira.  “Todo mundo é alguém ou quer ser alguém. Tenho muita sorte por nenhum dos meus namorados ter vendido uma história [à imprensa] sobre mim.”

Tentar uma aproximação com alguém através de contatinhos de amigos também foi uma opção, rapidamente descartada. “Você não pode me arranjar um encontro às cegas. Como vai rolar? E se tiver paparazzi?”. O  encontro com Rich foi casual: os dois se conheceram enquanto dançavam ao som de Drake na festa de um amigo em comum.

 

Continua após a publicidade

Publicidade