Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

Uma nova pedra no meio do caminho dos Nem-Nem

A propaganda partidária vai adiar a decisão de unir as candidaturas de centro-direita

Por Thomas Traumann 18 jan 2022, 15h46

Surgiu mais um fato para reduzir para perto de zero a possibilidade de um acordo entre os candidatos da direita e centro-direita (Sergio Moro, João Doria, Simone Tebet, Alexandre Vieira, Felipe D’Ávila e Rodrigo Pacheco). Em dezembro, o Congresso decidiu ressuscitar a propaganda partidária, os comerciais que as TVs e rádios eram obrigadas a exibir ao longo do ano e que haviam sido cancelados em 2017. A nova lei foi sancionada por Jair Bolsonaro em 4 de janeiro e os partidos já estão se inscrevendo na Justiça Eleitoral para exibir seus comerciais em rádio e TV. O MDB, de Simone Tebet, pediu 20 inserções em março e 20 em junho. O PSD, de Rodrigo Pacheco, concentrou suas 40 inserções em junho. Outros partidos devem entregar seus pedidos nos próximos dias. O calendário só deve ser definido pelo TSE em fevereiro.

Os dirigentes dos partidos acreditam em milagres. Acham que se Tebet ou Pacheco tiverem algumas dezenas de spots de 30 segundos de propaganda eles irão sair do 1% de intenção de votos nas pesquisas. Digamos, por um momento, que sim. E irão para quanto? 3%? 4? A possibilidade de um candidato se tornar viável a partir do nada é apenas um exemplo de que, às vezes, a esperança pode vencer a experiência.

É verdade que já aconteceu antes. Em 1989, o então governador de Alagoas, Fernando Collor, se tornou conhecido nacional aparecendo em dois programas partidários. Em março de 1989, Collor estava em quarto lugar na pesquisa Datafolha com 9%. Com a exposição na TV, saltou para 17% e ficou em primeiro lugar. Mas 1989 é um passado distante, quando a TV e rádios eram as únicas fontes de informação da maioria dos brasileiros, as redes sociais não existiam e o público não estava acostumado aos truques dos candidatos. Esse Brasil não existe mais.

O efeito político, no entanto, é real. O MDB só vai desistir da candidatura de Tebet depois de confirmar o fracasso do programa de radio e TV. Isso vai adiar as conversas e manter o quadro pulverizado por mais tempo. Hoje somados, esses seis candidatos da direita e centro-direita têm apenas 15% das intenções de voto. Não é suficiente para mudar o jogo.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês