Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

O real motivo para o incidente com Portugal

Bolsonaro não quer visitante nos protestos contra o TSE no Sete de Setembro

Por Thomas Traumann Atualizado em 5 jul 2022, 09h34 - Publicado em 4 jul 2022, 10h09

O anúncio de Jair Bolsonaro de que não receberia o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, na segunda-feira em Brasília, por ele ter antes uma agenda com Lula da Silva é apenas um pretexto. O motivo real para Bolsonaro gerar um incidente diplomático é evitar que o presidente português esteja no Brasil nas comemorações dos 200 anos de independência, em 7 de Setembro, presença que poderia amarrar Bolsonaro no que pode ser o auge da sua campanha pela reeleição.

No encontro com Bolsonaro, Rebelo iria confirmar que Portugal concordou em transladar o coração do imperador D. Pedro 1 para o Brasil para as comemorações, mas os planos bolsonaristas são outros. Há semanas, o bolsonarismo convoca manifestações para o 7 de setembro para ameaçar uma ruptura institucional como já foi feito no Dia da Independência do ano passado.

Antes do cancelamento do encontro, o ministro general Luiz Ramos disse à agência France Presse que a presença do português obrigaria Bolsonaro a mudar o tom do 7 de Setembro. “Não tem clima para ir num carro de som, botar o presidente de Portugal do lado como ele fez em São Paulo ou Brasília (em 2021). (A presença do presidente português) É quase uma vacina, um remédio que vai certamente permitir que ele (Bolsonaro) seja mais institucional”, disse Ramos. Na entrevista, o general Ramos, amigo de Bolsonaro desde os anos 1970, admitiu que existem riscos de ruptura institucional. “Não vou tentar fugir do tema, os radicais de um lado e do outro. A preocupação é sobre todos. O presidente não é radical, ele tem os discursos dele e tal.”

No domingo, Rebelo de Souza se encontrou com o ex-presidente Lula da Silva, visitou a Bienal do Livro e participou de uma solenidade comemorativa dos 100 anos da primeira travessia aérea do Atlântico Sul. Nesta segunda, ele tem agenda com os ex-presidentes Michel Temer e Fernando Henrique Cardoso.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)