Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

O mercado se afasta do governo Bolsonaro

O anel que Guedes deu à Faria Lima era vidro se quebrou

Por Thomas Traumann 5 jul 2021, 11h52

Quebrou o anel de vidro de Paulo Guedes com o mercado financeiro. A proposta da reforma tributária cria um imposto de 20% sobre a distribuição de dividendos, taxando fundos imobiliários e impedindo a compensação de impostos entre fundos de propósito específico, para compensar o aumento da isenção de impostos de renda sobre aqueles que recebem até R$ 2.500 (o projeto foi a capa de VEJA desta semana).

Na quinta-feira (01/07), um dos porta-vozes mais influentes do mercado financeiro, o gestor da Verde Asset Management, Luis Stuhlberger, desabou contra o ministro:

“Me admira muito o Paulo Guedes ter mandado um negócio desse. Botar 20% de imposto sobre os dividendos e diminuir em duas vezes de 2,5% o imposto de renda, é você botar um bode na sala e depois te dar uma gorjeta para ficar com esse bode. Não tem cabimento uma coisa dessa. Tem que ser revisto”.

Stuhlberger também bateu na bitributação das carteiras (“vai deixar as coisas inadministráveis para os gestores: pagar quando tem o dividendo e depois o investidor tem que se compensar”) e os fundos imobiliários (“um profundo equívoco”).

Na Faria Lima, o trecho paulistano onde estão as principais casas bancárias, Paulo Guedes virou sinônimo de palavrão. É uma reversão extraordinária. A Faria Lima embarcou no navio bolsonarista em 2018 justamente porque Guedes se apresentava como o capitão da embarcação, acreditou em todas as “reformas para semana que vem” prometidas pelo ministro, minimizou as intervenções militares na Petrobras e pula as páginas de política para não ler as pesquisas mostrando a impopularidade crescente de Bolsonaro. Até que o governo mirou no seu bolso. É irônico que um governo de extrema-direita seja o primeiro a taxar os mais ricos para ajudar os pobres.

Continua após a publicidade

A taxação dos dividendos vai obrigar a uma mudança nas regras no pagamento de ganhos com ações, desestimular a entrada de novos investidores e fazer com que milhares de executivos que ganham como Pessoa Jurídica reformulem seus contratos. Se o projeto for aprovado, é provável que as companhias façam gigantescas distribuição de dividendos em dezembro para fugir do imposto em 2022, possivelmente em direção ao mercado de câmbio.

A pressão da Faria Lima para destruir a proposta é poderosa. Na primeira semana de ataques, o presidente da Câmara, Arthur Lira, já cedeu em reduzir a alíquota de imposto de 20% para 15% e o próprio Guedes antecipou a redução de 5% na taxação sobre a distribuição de lucros. Mas não é o suficiente. O mercado vai trabalhar pesadamente para derrubar a proposta inteira.

O esforço do mercado contra Guedes se soma ao da indústria, furiosa com o ministro por tentar reduzir as alíquotas de importação sem nenhuma compensação tarifaria. Na avaliação do Ministério da Economia, a redução unilateral dos impostos de importação industriais dará um choque de competitividade no setor e redução de preços ao consumidor. As entidades industriais afirmam que a medida vai causar falências e demissões.

Atacado pelos banqueiros da Faria Lima e pelos industriais da Avenida Paulista, Guedes perde a sua principal função no governo, a de ser um canal entre o presidente e o empresariado. Nos últimos meses, é visível a baixa influência do ministro junto ao presidente. O ritmo da política econômica é dado por Arthur Lira, as estatais estão sob domínio militar o ministro da Integração Regional, Jair Marinho, ganhou a queda-de-braço sobre orçamento.

Mais importante, a intenção de Guedes para taxar os ricos abre duas oportunidades para o time do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Primeiro porque permite reabrir os contatos com a Faria Lima, estancados desde o governo Dilma Rousseff. Segundo porque quebra o monopólio de que somente a esquerda quer aumentar a taxação dos ricos para aumentar a isenção dos mais pobres. O PT que não teve coragem de tomar a medida quando estava no poder, agora está liberado para defender o imposto que até o governo de extrema-direita quer aprovar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês