Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

O curinga de Lula

Candidato em SP, Fernando Haddad se tornou figura essencial da campanha presidencial

Por Thomas Traumann Atualizado em 8 jul 2022, 13h42 - Publicado em 5 jul 2022, 15h13

A maior revelação da campanha de Lula da Silva é o papel de curinga do ex-prefeito Fernando Haddad. Ele foi o principal responsável pela aproximação de Lula com seu antigo adversário e agora candidato a vice Geraldo Alckmin; é quem está quebrando as resistências para um apoio explícito de Marina Silva ao PT; foi um dos organizadores do principal jantar do candidato petista com empresários na casa do presidente do Insper, Paulo Haddad; e, por último, mas não em último lugar, é o primeiro candidato do PT com chances reais de ganhar o governo de São Paulo.

Haddad lidera a corrida em São Paulo com 34% ante 13% do governador Rodrigo Garcia e do ex-ministro bolsonarista Tarcísio de Freitas, segundo o Datafolha. O antipetismo é forte em São Paulo e é provável que, num eventual segundo turno, os eleitores de Garcia e Freitas se juntem contra Haddad. Mesmo assim, nunca o PT paulista partiu de uma aliança tão ampla. Haddad terá o apoio de Geraldo Alckmin, popular no interior, do ex-governador Márcio França como candidato a senador, do PSOL de Guilherme Boullos e da Rede de Marina Silva. É o oposto do que ocorreu em 2018 quando Haddad foi candidato a presidente com o apoio minguado do PCdoB.

Haddad tem um papel maior que sua campanha a governador. Ele passou a ser um dos raros interlocutores de Lula que fala em nome do presidente com políticos e empresários sem usar um disclaimer de que está apenas dando uma opinião pessoal. Ganhando, Haddad será o governador mais importante do país. Perdendo, mas com Lula no Planalto, Haddad terá um papel central, seja como ministro, seja sugerindo nomes.

Lula só venceu no Estado de São Paulo em 2002, no auge da impopularidade de FHC, quando o voto petista ainda se concentrava entre os mais escolarizados e da classe média. A partir de 2006, quando o PT se transformou no partido dos mais pobres, São Paulo se tornou uma derrota certa para os petistas. Perderam em 2006 para Alckmin, em 2010 para José Serra e em 2014 para Aécio Neves. No segundo turno de 2018, Bolsonaro venceu Haddad em 631 das 645 cidades do estado, com um total de 70% dos votos válidos.

Nesta campanha, no entanto, Lula lidera em São Paulo com 50% dos votos válidos, segundo pesquisa Datafolha. Se mantiver esse índice no Estado de São Paulo, Lula pode vencer a eleição presidencial no primeiro turno. O sucesso da campanha de Fernando Haddad é parte intrínseca deste plano.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)