Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

Moraes bloqueia a artéria de difusão do bolsonarismo

Telegram funciona como hub de posts e vídeos atacando adversários do presidente

Por Thomas Traumann 18 mar 2022, 17h32

A decisão do ministro do Tribunal Superior Eleitoral e Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes de bloquear o aplicativo Telegram no Brasil tem efeito direto no mais intenso canal de difusão de material de campanha para a reeleição do presidente Jair Bolsonaro. Em menos de um ano, Bolsonaro se tornou o político mais influente do aplicativo, com mais de 1 milhão de seguidores. Os filhos presidenciais também faze sucesso e têm mais engajamento do que o principal adversário do pai, Lula da Silva. Compare os números de seguidores:

Jair Bolsonaro 1.086 milhão
Flavio Bolsonaro 94 mil
Carlos Bolsonaro 78 mil
Eduardo Bolsonaro 53 mil
Lula da Silva 48 mil
Ciro Gomes 19 mil

A ação bolsonarista no Telegram tem várias facetas. Ela funciona como a principal artéria para a divulgação de informações das ações do governo, posts típicos de campanha, comparações mentirosas sobre as vacinas e palavras de ordem contra os adversários políticos e da Justiça, incluindo Alexandre de Moraes. Opiniões que a assessoria de Bolsonaro podia achar fortes demais para divulgar nas suas páginas no Facebook ou Twitter, eram distribuídas no seu grupo do Telegram ou dos filhos. Era um hub de difusão de posts e vídeos para serem compartilhados posteriormente pelas correntes bolsonaristas no próprio Telegram e no WhatsApp.

O Telegram se tornou o aplicativo de mensagens favorito dos bolsonaristas depois que o WhatsApp limitou o número de participantes por grupo e a Justiça passou a punir o Youtube pela divulgação de vídeos que atacavam o uso de vacinas contra a Covid ou denunciavam fraude nas urnas eletrônicas. Através do Telegram, os Bolsonaros e seus militantes seguiam compartilhando vídeos ocultos do Youtube. Com isso, os vídeos aparecem como “não listados” pelo Youtube, cumprindo a ordem da Justiça, mas na prática continuaram sendo vistos e compartilhados pelos bolsonaristas, gerando dinheiro via anúncios para os seus criadores.

O Telegram é a plataforma que menos interfere na distribuição de conteúdos com a justificativa da defesa da liberdade de expressão. Em outros países, o aplicativo foi processado por dar guarida a grupos terroristas e tráfico de drogas, e com raras exceções ignorou solenemente a pressão judicial. No Brasil, desde o ano passado a Justiça eleitoral tem procurado o Telegram para tentar impor algum limite na distribuição de fake news e ataques à democracia, sem nenhum sucesso.

Moraes justificou a decisão com base no descumprimento de medidas judiciais anteriores, que exigiam da plataforma ações como o bloqueio de perfis ligados ao blogueiro bolsonarista Allan do Santos e o fim da monetização de conteúdos produzidos por essas contas. Para Moraes, a empresa age com “desprezo”, “total omissão” e “falta de cooperação” com a Justiça.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)