Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Thomas Traumann é jornalista e consultor de risco político. Foi ministro de Comunicação Social e autor dos livros 'O Pior Emprego do Mundo' (sobre ministros da Fazenda) e 'Biografia do Abismo' (sobre polarização política, em parceria com Felipe Nunes)
Continua após publicidade

Lula repete Zidane e decisão pode ir para os pênaltis

Pesquisas qualitativas mostram que bate-boca com suposto padre pode afastar votos de indecisos para o petista

Por Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 30 set 2022, 12h41 - Publicado em 30 set 2022, 11h38

Aos 20 minutos da prorrogação da final da Copa do Mundo de 2006, o meio-campista francês Zinedine Zidane foi provocado pelo zagueiro italiano Marco Materazzi e respondeu com uma cabeçada. Melhor jogador do mundo, Zidane foi expulso e o jogo foi para os pênaltis. Nas cobranças, a Itália venceu por 5 a 3. Materazzi fez o seu.

Candidato a presidente pela sexta vez, Lula da Silva (PT) já participou de mais de 20 debates. Ganhou alguns de goleada (como os dois contra José Serra e Geraldo Alckmin nas finais de 2002 e 2006 e o primeiro no segundo turno contra Fernando Collor, em 1989), perdeu outros (como o segundo contra Collor e o primeiro desta campanha na Band), mas sempre foi um bom debatedor. Nesta quinta-feira, 29, no debate da Globo, o ex-presidente Lula da Silva repetiu Zidane e caiu na provocação do candidato que se apresentava como padre Kelmon.

Depois de recitar várias denúncias de corrupção, o candidato Kelmon leu a pergunta: “Você era chefe do esquema?”. Quando Lula tentava responder, Kelmon falava ao mesmo tempo, mesmo com o microfone desligado. Ele repetia “o senhor é o chefe da corrupção” quando Lula falava.

O ex-presidente perdeu a paciência e cruzou a rua para pisar na casca de banana. “Candidato laranja não tem respeito por regra”, acusou Lula, se referindo à postura de subordinação de Kelman ao presidente Jair Bolsonaro.

Continua após a publicidade

O debate da Globo era a maior oportunidade para Lula resolver a eleição no primeiro turno. De acordo com o Datafolha divulgado horas antes, o petista tem 50% das intenções de voto, na margem de erro para garantir a vitória.

A performance na Globo, no entanto, torna improvável que Lula tenha ganho algum voto de indeciso ou tomado apoio de eleitores de Ciro Gomes e Simone Tebet. Pesquisas qualitativas feitas na madrugada mostram que o bate-boca com suposto padre pode afastar votos de indecisos para o petista.

A final pode ser decidida nos pênaltis do segundo turno.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.