Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
. Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

Exclusivo: Artigo que alerta risco de golpe ganha aval do governo Biden

Texto que pede sanções ao Brasil caso Bolsonaro conteste uma eventual derrota é distribuído a executivos de multinacionais

Por Thomas Traumann 9 Maio 2022, 09h54

O departamento de Estado americano deu aval ao alerta do ex-diplomata Scott Hamilton de que o presidente Jair Bolsonaro pode tentar uma ruptura institucional caso perca as eleições em outubro. Artigo de Hamilton publicado em em 29 de abril no jornal O Globo defende enfaticamente que o governo Joe Biden alerte Bolsonaro de que a não aceitação de uma eventual derrota teria consequências diplomáticas e sanções comerciais.

Na quinta-feira (5/5), a agência Reuters publicou reportagem afirmando que, em visita ao Brasil em 2021, o diretor da CIA, Willian Burns, ressaltou aos ministros generais Augusto Heleno e Luiz Ramos que presidente Bolsonaro deveria parar com as críticas ao sistema eleitoral brasileiro. Bolsonaro, como se sabe pela tentativa de intervenção ao Supremo Tribunal Federal no último 7 de Setembro, ignorou o recado americano.

Cópias do artigo de Hamilton foram distribuídas por diplomatas americanos a executivos de multinacionais com negócios no Brasil. Um desses executivos me disse que compreendeu o gesto como um apoio implícito aos alertas e que uma contestação de Bolsonaro nos moldes do que Donald Trump tentou em 2020 poderia tornar o Brasil “numa nova Rússia, com os investidores fugindo às pressas para evitar sofrerem sanções”, se referindo às sanções impostas desde a invasão da Ucrânia.

Ironicamente, a conturbada relação dos governos Biden e Bolsonaro atravessa o seu melhor momento. Apesar das bravatas de Bolsonaro, o Brasil tem votado na maioria das vezes com os EUA e a Ucrânia e contra a Rússia no Conselho de Segurança da ONU. Existem conversas para que os dois presidentes se encontrem na esvaziada Cúpula das Américas, marcada para junho em Los Angeles. Bolsonaro informou ao Itamaraty que não pretende ir.

Um dos mais importantes diplomas para América Latina no governo Obama, Hamilton foi cônsul no Rio de janeiro entre 2018 e 21. Em entrevista à National Public Radio, ele disse que por duas vezes alertou o então embaixador americano em Brasília, Todd Chapman, sobre a necessidade de uma atitude americana sobre Bolsonaro. Foi ignorado. Em julho do ano passado, quando deixou o posto, Hamilton distribuiu um documento para várias autoridades. Como Chapman já não era mais embaixador, a resposta foi mais atenta.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês