Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Thomas Traumann

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Thomas Traumann é jornalista e consultor de risco político. Foi ministro de Comunicação Social e autor dos livros 'O Pior Emprego do Mundo' (sobre ministros da Fazenda) e 'Biografia do Abismo' (sobre polarização política, em parceria com Felipe Nunes)
Continua após publicidade

Bolsonaro virou o jogo

O discurso do presidente a favor da reabertura da economia está derrotando o medo do coronavírus

Por Thomas Traumann Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 14 jul 2020, 17h52

A reabertura desordenada do comércio e das empresas, mesmo em cidades onde a Covid-19 está crescendo, representa uma vitória política do presidente Jair Bolsonaro. Sua postura negacionista, corresponsável pela morte de mais de 73 mil brasileiros, virou o “novo normal”. O debate sobre os cuidados necessário para evitar a propagação do vírus foi substituído pelas pressões de comerciantes, donos de escola, dirigentes de futebol, empresários de transporte e empregados com medo da demissão pela volta à normalidade. É como se todo mundo repetisse o que o presidente disse em 2 de junho, quando o Brasil chegou a 50 mil vítimas de Covid-19: “Eu lamento os mortos, mas é o destino de todo o mundo”.

O recuo de prefeitos e governadores frente à pressão pela retomada das empresas é também fracasso da ciência e da mídia. Desde o início da pandemia, veículos responsáveis abriram espaço para médicos e cientistas divulgarem cuidados básicos (uso de máscaras, álcool em gel, distanciamento social…) e os riscos da contaminação.

Por alguns meses, o medo do vírus fez com que milhões de brasileiros se cuidassem mais. Empresas se adaptaram ao home office, professores se viraram para dar aula online e a louça nossa de cada dia passou a ser o centro das tarefas domésticas.

ASSINE VEJA

Vacina contra a Covid-19: falta pouco Leia nesta edição: os voluntários brasileiros na linha de frente da corrida pelo imunizante e o discurso negacionista de Bolsonaro após a contaminação ()
Clique e Assine

Nas últimas semanas, no entanto, é visível nas grandes cidades que a paciência passou do limite e que os cuidados se afrouxaram. É como se o tédio da quarentena fosse maior que o medo do vírus.

Bolsonaro está no centro desse desalento. O presidente boicotou seus ministros da Saúde, incentivou a transgressão da quarentena, fez troça do sofrimento dos contaminados e, uma vez doente, virou garoto propaganda de um remédio controverso.

É incerto se esta vitória parcial de Bolsonaro se sustentará. É gigantesca a possibilidade de ondas de contaminação com a reabertura de bares, estádios, salões de beleza, igrejas, shoppings, academias e escolas. O risco de um colapso nos hospitais cresce a cada concessão dos prefeitos, mas até lá cientistas e jornalistas precisam entender como erraram ao passar a mensagem e o que precisam fazer para convencer o público de que suas vidas valem mais que o tédio ou as bravatas de um político.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.